Prefeito italiano quer reabrir jazigo do ditador fascista Mussolini ao público

Prefeito de Predappio, Roberto Canali, diz que abertura pode "incentivar turismo"; em Berlim, bunker onde morreu Hitler não é sinalizado e fica embaixo de um estacionamento

O prefeito de Predappio, Roberto Canali, deseja reabrir ao público de maneira permanente o jazigo onde está sepultado o ditador fascista Benito Mussolini (1883-1945).

Segundo Canali, eleito em maio passado com o apoio da ultranacionalista Liga, partido do ministro do Interior Matteo Salvini, e do Força Itália (FI), legenda de Silvo Berlusconi, a medida pode "incentivar o turismo" na cidade.

Predappio é a terra natal de Mussolini, e militantes neofascistas costumam se reunir anualmente no jazigo para celebrar a data de nascimento do ditador: 29 de julho de 1883. Desta vez, no entanto, os herdeiros estudam abrir o local ao público de forma permanente.

"Com a colaboração do prefeito de Predappio, Roberto Canali, estamos tentando restabelecer uma reabertura fixa", diz uma nota assinada por Rachele Mussolini, neta do líder fascista e vereadora em Roma.

Wikimedia Commons
Prefeito quer reabrir visitação a jazigo de Mussolini

Os herdeiros de Mussolini há anos tentam chegar a um acordo sobre a reabertura do jazigo e agora parecem perto de uma definição. "Nós nos reunimos e em breve comunicaremos nossa decisão", disse recentemente a ex-eurodeputada e ex-senadora Alessandra Mussolini, também neta do ditador.

Já o prefeito Canali acredita que o jazigo represente um "fator importante para o turismo". "Quando ele estava aberto de modo permanente, sempre havia um vai e vem de pessoas que hoje faz falta", declarou. 

A eventual reabertura é o oposto do que, por exemplo, faz Berlim, onde não há nenhuma sinalização do bunker onde Adolf Hitler se escondeu e se suicidou ao final da guerra. O governo alemão diz que isso evita que a região, onde hoje é um estacionamento, vire um local de peregrinação de neonazistas e fascistas.

(*) Com Ansa

Comentários

Leia Também