Venezuela denuncia nova violação de espaço aéreo por parte dos EUA

Major-general venezuelano classificou ação como 'irresponsável'; segundo Ministério da Comunicação, 78 violações do espaço aéreo do país sul-americano foram cometidas por norte-americanos em 2019

O major-general Juan Teixeira Díaz, comandante da Defesa Aeroespacial Integral da Força Área da Venezuela, denunciou nesta quinta-feira (01/08) que uma aeronave dos Estados Unidos invadiu o espaço aéreo do país sem protocolo prévio. 

Pelo Twitter, Díaz afirmou que, desta forma, a aeronave EP3 norte-americana cria condições "de risco" ao entrar sem aviso na região de informação de voo. "Esta agressão irresponsável busca um incidente", disse.

De acordo com a imagem publicada pelo militar, os radares detectaram a aeronave dos EUA na quarta-feira (31/07) e os serviços de tráfego aéreo tentaram entrar em contato com a tripulação sem obter resposta.

Após vários tipos de voos realizados por mais de uma hora a 110 km da ilha venezuelana de La Orchila, no norte do país, a aeronave saiu da região de informação de voo de Maiquetía sem estabelecer contato com as autoridades venezuelanas.

Esta é a terceira vez em 15 dias que a Venezuela registrou incursão de uma aeronave dos EUA em sua região de informação de voo. A primeira ocorreu no dia 19 de julho, quando foram relatadas duas aeronaves. A segunda foi no dia 27 de julho.

Reprodução
Aeronave norte-americana realizou voos por mais de uma hora na região venezuelana

78 violações

Segundo o ministro das Comunicações da Venezuela, Jorge Rodríguez, ao menos 78 violações do espaço aéreo do país sul-americano foram cometidas por norte-americanos desde o início do ano. Segundo ele, as ações ficaram mais agressivas desde que o deputado opositor Juan Guaidó se autoproclamou presidente do país.

Rodríguez disse que aumentaram “167% as incursões e violações à segurança aérea do país por parte de aeronaves espiãs norte-americanas que têm capacidade de portar mísseis em superfícies altas. Além disso, elas são parte das Forças Armadas dos EUA e se encarregam de vigiar a infraestrutura eletrônica e as condições do sistema de telecomunicações do povo e do Estado venezuelano”, disse.

(*) Com Sputnik.

Comentários

Leia Também