Trump anuncia novas sobretaxas a importações da China

Tarifa atinge os US$ 300 bilhões em produtos do país asiático que ainda estavam isentos de pacote protecionista

Redação

Deutsche Welle Deutsche Welle

Bonn (Alemanha)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou (01/08) nesta quinta-feira a imposição, a partir de 1º de setembro, de novas sobretaxas de 10% sobre outros 300 bilhões de dólares em produtos importados da China, acirrando a guerra comercial entre os países.

As novas tarifas atingem as importações que tinham sido poupadas até agora pelos EUA e se unem as sobretaxas de 25% que já foram impostas sobre 250 bilhões de dólares em produtos importados da China, país que exporta cerca de 500 bilhões de dólares em bens para os Estados Unidos anualmente.

"Acreditávamos que tínhamos um acordo com a China há três meses, mas, infelizmente, a China decidiu renegociar o acordo antes da assinatura", afirmou Trump no Twitter, ao anunciar as novas tarifas.

Trump justificou a decisão acusando os dirigentes de Pequim de não terem cumprido as promessas de aumentar significativamente o volume de compras de produtos agrícolas dos EUA e de interromper as vendas de fentanil, um potente opioide que tem deixado muitos viciados nos Estados Unidos.

Segundo Trump, "muitos [norte-]americanos continuam morrendo" por causa desse perigoso opioide vendido clandestinamente em ampla escala por laboratórios do país asiático. A substância causou a morte do astro pop Prince e de cerca de 30 mil norte-americanos em 2017.

picture-alliance/abaca/O. Douliery
Trump decidiu impor uma nova sobretaxa aos 300 bilhões de dólares em produtos chineses

"Esperamos continuar o nosso diálogo positivo com a China sobre um acordo comercial integral e sentimos que o futuro entre nossos países será muito brilhante", concluiu, porém, Trump.

Os dois países continuam negociando uma forma de resolver a guerra comercial aberta pelo presidente norte-americano. Fases de progresso e desastre tem se alterado ao longo das negociações. Em maio, as conversas pareciam ter entrado em colapso, mas ganharam um impulso depois da reunião entre Trump e presidente da China, Xi Jinping, durante a cúpula do G20 no Japão.

Na quarta-feira, o governo norte-americano disse que as negociações comerciais realizadas nos últimos dias em Pequim – a primeira de alto nível desde o G20 – foram suspensas e serão retomadas em Washington no início de setembro.

A Casa Branca tinha informado ainda que os negociadores chineses tinham confirmado "o compromisso de aumentar as compras de produtos agrícolas dos EUA" e classificado os encontros como "construtivos".

Apesar do aparente sucesso, Trump decidiu impor uma nova sobretaxa aos 300 bilhões de dólares em produtos chineses que ainda estavam fora do pacote protecionista da Casa Branca.

As tensões entre EUA e China têm raízes no desequilíbrio da balança comercial a favor do país asiático, que exporta 419 bilhões de dólares a mais do que importa, o que Trump destacou que acontece devido a injustas práticas comerciais do gigante asiático.

Comentários