'Atitude de Bolsonaro não é digna de um presidente', diz Macron na TV

'Se eu fizesse o que ele fez, os franceses ficariam com vergonha', disse mandatário da França

Redação

RFI RFI

Paris (França)

Em entrevista exclusiva ao canal de TV France 2, nesta segunda-feira (26/08) após o fim da Cúpula do G7 em Biarritz, no sul da França, o chefe de Estado francês também afirmou que sempre distinguiu "os povos de seus dirigentes".

Questionado sobre as relações diplomáticas entre a França e o Brasil, Macron declarou que “da maneira como as coisas são apresentadas, existe a impressão de há um diálogo direto com Bolsonaro, o que não é o caso”, afirmou. “Os franceses me elegeram para representá-los, defender nosso país e fazer o melhor para que a França progresse. Devo ser respeitoso com os representantes dos outros países, independentemente de quem eles sejam. Nunca dei nenhum tipo de declaração irreverente em relação a um outro dirigente. Esse não foi o caso de Bolsonaro”, alfinetou o presidente Macron, em alusão às declarações do presidente brasileiro sobre sua mulher, Brigitte Macron. Ele reiterou que elas são “condenáveis e inaceitáveis”.

O presidente francês também fez questão de frisar a diferença entre o presidente e os brasileiros. “O Brasil é um grande povo, um grande país. A atitude de Jair Bolsonaro não é digna de um presidente. Se eu fizesse o que ele fez, os franceses ficariam com vergonha”, ressaltou.

Flicrk
Em entrevista exclusiva ao canal de TV France 2, Macron afirmou que sempre distinguiu "os povos de seus dirigentes"

'França tem parte de cumplicidade' no desmatamento

O chefe de Estado francês também voltou a afirmar que o presidente brasileiro encorajou os programas de desmatamento, que levaram ao aumento de mais de 90% dos incêndios. “A floresta amazônica nos ajuda a absorver as emissões de CO2. Há nove países que fazem fronteira com a Amazônia, entre eles a França. Todos eles estão envolvidos, mas a questão é tão importante que envolve todo o planeta”, disse o presidente francês, que também se encontrou com o cacique Raoni nesta segunda-feira.

Questionado sobre a importação massiva de soja brasileira pela França, Macron também reconheceu que o país tem uma parte de “cumplicidade” no desmatamento. “Precisamos de soja na Europa para alimentar os animais. Nós não temos. Essa situação é fruto de um equilíbrio antigo, concluído nos anos 1960 entre a Europa e os Estados Unidos. Temos que recriar a soberania da Europa na questão", concluiu.

Macron também declarou que Bolsonaro não cumpriu sua palavra e, na situação atual, a França não assinará o acordo com o Mercosul. Ele explicou porque o país inicialmente ratificou o texto. “A França foi dura nas negociações, e isso acontece com frequência, para que possamos proteger nossa agricultura e o clima. Também temos cláusulas que preveem que, se o acordo isso desequilibrar nossa agricultura, não será mais aplicado.”

Comentários