Irã rejeita acusações da Arábia Saudita e nega participação em ataque contra instalações petrolíferas

Ministério da Defesa saudita divulgou destroços dos armamentos que atacaram a planta petrolífera e disse que participação iraniana é 'inquestionável'

O ministro da Defesa do Irã, general Amir Hatami, rejeitou nesta quarta-feira (18/09) as acusações feitas pela Arábia Saudita de que a participação de Teerã nos ataques contra uma planta petrolífera saudita realizado no último sábado seria "inquestionável".

Hatami negou qualquer participação de forças iranianas na ação e reforçou que a participação das tropas houtis do Iêmen, que reivindicaram a autoria dos ataques, é clara e segue um modelo de ofensiva já praticado pelos rebeldes.

"É claro como cristal. Um confronto aconteceu entre dois países. Um lado do confronto são os iemenitas, que anunciaram explicitamente que eles realizaram o serviço", disse o ministro à imprensa.

Segundo o general iraniano, "em termos militares, os iemenitas já realizaram operações similares por volta de dois anos atrás, atacaram um aeroporto nos Emirados Árabes Unidos e dispararam um míssil com um alcance de 1,2 mil km".

As declarações do governo do Irã vem após o Ministério da Defesa da Arábia Saudita tornar público nesta quarta-feira os destroços dos armamentos que atacaram a planta petrolífera e afirmou que a participação iraniana no episódio é "inquestionável".

Segundo o porta-voz do Ministério da Defesa saudita, Turki al-Malki, as partes recuperadas dos drones e mísseis utilizados no ataque forneceram "evidências inegáveis" da participação do Irã.

Tasnim News
'Um lado do confronto são os iemenitas, que anunciaram explicitamente que eles realizaram o serviço', disse o ministro iraniano

"O ataque foi lançado do norte e inquestionavelmente apoiado pelo Irã. Nós estamos trabalhando para descobrir o ponto exato do lançamento", disse al-Maki.

No último sábado (15/09), um ataques com drones atingiu duas instalações petrolíferas da companhia estatal saudita Aramco. Segundo a empresa, as explosões reduziram a produção em 5,7 milhões de barris/dia, ou mais de 5% da oferta mundial de petróleo cru.

Sanções dos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira que irá aumentar as sanções contra o Irã como resposta à suposta participação do país nos ataques contra as instalações petrolíferas.

"Eu acabei de instruir o secretário do Tesouro para aumentar substancialmente as sanções sobre o Estado do Irã", disse Trump pelo Twitter sem dar detalhes sobre as novas restrições.

Nesta terça-feira, o aiatolá Ali Khamenei descartou negociações com Washington e afirmou que essa política de sanções norte-americanas "é inútil".

Comentários