EUA abrem caminho para ofensiva da Turquia na Síria

Forças norte-americanas começaram a se retirar do nordeste da Síria; guinada política possibilita operação militar turca contra milícias curdas, que vinham atuando como aliadas dos EUA contra Estado Islâmico

Redação

Deutsche Welle Deutsche Welle

Bonn (Alemanha)

Os Estados Unidos iniciaram neste domingo (07/10) a remoção de suas tropas no noroeste da Síria ao longo da fronteira com a Turquia, numa mudança radical das políticas adotadas por Washington que abre o caminho para uma ofensiva turca contra milícias curdas na região.

Autoridades militares norte-americanas confirmaram que seus soldados se retiraram de dois postos de observação na fronteira e avisaram os comandantes da milícia Forças Democráticas Sírias (SDF), liderada pelos curdos, que não iriam defendê-los no caso de uma ofensiva das tropas turcas. Os EUA justificaram a medida em razão da derrota do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) no território sírio.

"A Turquia prosseguirá em breve com sua operação há muito planejada no norte da Síria", afirmou a Casa Branca em comunicado, após conversa por telefone entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan.

"As Forças Armadas dos Estados Unidos não apoiarão e não estarão envolvidas na operação; as forças norte-americanas, tendo derrotado o 'califado' territorial do EI, não estarão mais nas imediações", dizia a nota do governo norte-americano.

A Turquia vinha defendendo a criação de uma "zona segura" de 32 quilômetros ao longo da fronteira, sob controle de suas forças, forçando a remoção da milícia síria-curda Unidades de Proteção Popular (YPG) da região. O YPG, a maior força dentro da aliança que forma as SDF, é considerado por Ancara como uma organização terrorista e uma ameaça à sua segurança nacional.

Os Estados Unidos apoiaram o YPG no combate ao EI na Síria e vinham buscado um "mecanismo de segurança" conjunto na região, com o envolvimento da Turquia, para atender às exigências de Ancara, sem, no entanto, gerar ameaças às SDF.

Nesta segunda-feira, as SDF acusaram Washington de renegar apoio ao grupo aliado que liderou o combate ao EI na Síria e alertou que a medida deverá gerar impactos negativos na luta contra os jihadistas. "Apesar de nossos esforços para evitar uma escalada militar com a Turquia [...] as forças norte-americanas não cumpriram os compromissos firmados", disse o grupo em comunicado.

"As forças dos EUA nos demonstraram que não é dessa forma que se valoriza a amizade e a aliança", disse um porta-voz da SDF no Twitter. Ele avalia que a decisão do presidente norte-americano deve "arruinar a confiança e a cooperação entre as SDF e os EUA construídas durante a luta contra o EI. Alianças se constroem com base na confiança mútua".

White House
Trump decidiu retirar tropas norte-americanas do nordeste da Síria

A uma TV árabe, o porta-voz também descreveu a mudança de postura dos EUA como uma “punhalada nas costas”. "Havia garantias dos Estados Unidos de que o país não permitiria operações militares turcas na região", disse o porta-voz Kino Gabriel. "A declaração (dos EUA) foi uma surpresa e podemos dizer que é uma punhalada nas costas das SDF".

As SDF afirmam que perderam 11 mil soldados nos cinco anos de combates contra o EI. O grupo é considerado por Washington como o mais eficiente no combate aos jihadistas. A Casa Branca transferiu para a Turquia a responsabilidade pelos prisioneiros do EI capturados em combate, que atualmente se encontram em instalações das SDF.

A nota do governo norte-americano chamou a atenção para os aliados europeus, que Washington insiste para que assumam suas responsabilidades e repatriem os extremistas provenientes desses países. "Os Estados Unidos não vão mantê-los pelo que poderá ser um período de muitos anos, com grandes custos aos contribuintes norte-americanos", dizia a nota da Casa Branca.

O porta-voz de Erdogan, Ibrahim Kalin, afirmou que a zona segura proposta por seu país deve preservar a integridade territorial da Síria. Segundo afirmou no Twitter, os objetivos seriam "dar segurança à nossa fronteira ao remover elementos terroristas e possibilitar o retorno de refugiados de maneira segura".

Ao comentar a decisãonorte- americana, Erdogan não mencionou uma provável ofensiva militar na região, mas disse que seu país está determinado a deter o que considera como ameaças por parte dos combatentes sírio-curdos.

O país, que acolhe em torno de 3,6 milhões de cidadãos da Síria que fugiram da guerra civil em seu país de origem, iniciada em 2011, tem como objetivo reassentar 2 milhões de refugiados sírios na zona segura.

Na conversa com Trump, Erdogan expressou sua frustração com o fracasso dos EUA em implementar um acordo negociado entre os dois países. A criação da zona de segurança havia sido acordada entre os dois aliados na Otan em agosto, mas Ancara se queixava de que os EUA agiam com demasiada lentidão e ameaçava lançar por conta própria uma ofensiva na região.

As relações bilaterais foram abaladas recentemente com a aquisição por parte de Ancara de sistemas russos de defesa de mísseis S-400 e com processos legais contra funcionários consulares norte-americanos na Turquia.

Após o telefonema, a Casa Branca afirmou que os dois líderes planejam se encontrar em Washington em novembro.

RC/rtr/dpa/ap

Comentários

Leia Também