Manifestações no Chile entram no 28º dia consecutivo

Carabineros (polícia militar chilena) reprimiram os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo, jatos de água e balas de borracha

Os protestos no Chile completam 28 dias consecutivos nesta quinta-feira (14/11) continuam sob forte repressão. Os manifestantes mantém as mesmas reivindicações, entre elas a renúncia do presidente Sebastián Piñera e a elaboração de uma nova Constituição para o país.

Os protestos de hoje continuam a ser realizados na Plaza Italia, em Santiago. Também foram registradas manifestações na avenida Libertador O'Higgins, mais conhecida como Alameda. 

Carabineros (polícia militar chilena) reprimiram os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo, jatos de água e balas de borracha.


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


Além disso, a jornada de protestos  lembra o jovem mapuche Camilo Catrillanca que foi assassinado há um ano durante reintegração de posse que carabineros realizavam na comunidade de Temucuicui, em Ercilla.

CUT Chile
Carabineros (polícia militar chilena) reprimiram os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo, jatos de água e balas de borracha

As primeiras mobilizações desta quinta começaram em Temuco, onde milhares de pessoas saíram às ruas. Também em Copncepción foi realizada uma grande concentração para relembrar a morte de Catrillanca, ao mesmo tempo que exigiram justiça social e uma nova Constituição.

*Com teleSur

Comentários

Leia Também