Premiê do Iraque não resiste a dois meses de protestos e renuncia

Apelo de clérigo xiita foi fundamental para queda de Adel Abdul-Mahdi; decisão chega um dia depois de mais de 40 pessoas terem morrido durante a repressão aos protestos

Redação

ANSA ANSA

Bagdá (Iraque)

Após quase dois meses de protestos no Iraque, o primeiro-ministro Adel Abdul-Mahdi anunciou sua renúncia nesta sexta-feira (29/11), provocando uma onda de euforia entre os manifestantes reunidos na Praça Tahrir, centro da capital Bagdá.

A decisão chega um dia depois de mais de 40 pessoas terem morrido durante a repressão aos protestos e horas após a maior autoridade xiita do país, o grande aiatolá Ali al-Sistani, ter pedido para o Parlamento trocar o premiê.

Abdul-Mahdi disse em um pronunciamento que ouviu "com grande preocupação" o sermão de Sistani e que apresentará sua renúncia ao Parlamento. O primeiro-ministro está no poder há 13 meses, após um acordo entre diferentes blocos políticos, mas se viu acossado por uma revolta popular contra o desemprego, a corrupção e a baixa qualidade dos serviços públicos.

Ron Przysucha/Departamento de Estado
Adel Abdul-Mahdi renunciou nesta sexta-feira ao cargo de premiê

Em seu tradicional sermão de sexta-feira, Sistani havia dito que o Parlamento deveria "reconsiderar suas opções", dando o golpe de misericórdia no premier. Apesar da alegria nas ruas com a renúncia de Abdul-Mahdi, os protestos miram toda a classe política que comanda o Iraque desde a queda de Saddam Hussein, em 2003.

As manifestações começaram em 1º de outubro e, desde então, quase 400 pessoas já morreram, sobretudo jovens atingidos pelas forças de segurança. "Não vamos parar no primeiro-ministro, ainda temos muito pelo que lutar", disse a manifestante Amira, de 25 anos, à agência AP.

Ex-ministro das Finanças e ex-vice-presidente, Abdul-Mahdi era visto como independente politicamente e foi o primeiro chefe de governo de fora do Partido Islâmico Dawa, principal legenda da maioria xiita no país, em 12 anos.

Comentários

Leia Também