Ministro da Economia de Cuba: '2020 será um ano difícil e tenso, mas de grandes transformações'

Em entrevista ao programa Mesa Redonda, Alejandro Gil Fernández faz uma análise do comportamento da economia cubana em 2019 e das projeções para este ano

Redação

Cubadebate Cubadebate

Havana (Cuba)

A análise do comportamento da economia cubana em 2019 deve, sem dúvida, levar em conta o contexto em que o país se desenvolveu, caracterizado pelo aperto do bloqueio imposto pelos Estados Unidos contra Cuba, enfatizou Alejandro Gil Fernández, Ministro da Economia e Planejamento (MEP), ao iniciar sua entrevista na última quinta-feira (09/01) no programa de TV Mesa Redonda.

Ele lembrou as medidas impostas pelo governo norte-americano, especialmente para evitar a chegada de combustível, que "tivemos que superar". A posição da administração norte-americana tornou-se uma perseguição, sancionando as companhias de seguros e de navegação, com o objetivo de que a economia cubana não tivesse combustível para operar, disse ele. 

Esta situação complexa com o combustível começou em abril e depois agravou-se. Além disso, houve outras adversidades - que não estavam planejadas - como a passagem do tornado por Havana no início do ano passado, que causou perdas consideráveis no setor de habitação. É por isso que "o plano da economia não pode ser uma camisa de força", mas sim um processo que está sendo ajustado, explicou. 


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


Sem especificar o crescimento experimentado pela economia durante o calendário passado, uma vez que ainda faltam informações finais sobre os principais indicadores, o chefe do MEP considerou que não decrescer significa um resultado meritório. 

No entanto, ele reconheceu que poderia ter crescido mais. "Temos muitos problemas internos e é nisso que estamos trabalhando". Embora "o custo do bloqueio seja inegável", e afete o povo, insistiu ele. 

Segundo Gil Fernandez, há quem pense que essa política unilateral só tem o objetivo de impactar o governo, quando realmente afeta o povo. Por exemplo, a situação dos combustíveis afetou a produção de alimentos, os transportes, as atividades não estatais e o investimento estrangeiro.

Apesar dos desafios, os resultados positivos são evidentes:

  • Mais de 40.000 casas foram construídas e foram criadas condições para avançar.
  • Recebemos mais de 4 milhões de visitantes internacionais.
  • Houve um crescimento nas telecomunicações com seis milhões de linhas celulares.

O ministro acrescentou que embora houvesse escassez de certos sortimentos, a oferta foi estabilizada a partir do segundo semestre do ano. "Vivemos o verão e o final do ano com um nível de oferta", disse ele. 

"Não tivemos que recorrer a apagões, para aqueles que disseram que teríamos um segundo Período Especial", disse o ministro, enquanto aplaudia a força do povo para resistir, que deu uma resposta louvável. "Nós não desistimos do crescimento, não nos deixamos vencer".

Reprodução
Ministro da Economia de Cuba Alejandro Gil Fernández

Um Plano Econômico flexível: não significa uma camisa de força

O Plano Econômico não é uma camisa de força, mas sim um cenário onde se mover, reiterou o ministro, referindo-se a nova concepção implementada para este ano que abriu a possibilidade de conceber um planejamento sem diretrizes específicas nem limites, por meio de uma construção coletiva com os trabalhadores de cada empresa.

Ele disse que este sistema - iniciado em junho passado, quando houve a discussão do plano - deu resultados, embora nem todos eles. "Os primeiros passos foram dados e pouco a pouco este processo deve avançar". 

Agora, uma vez emitidos os principais níveis de atividade do Plano de Economia, cujo crescimento do PIB é estimado em cerca de 1%, devemos discutir com os trabalhadores, não só para ver qual foi a alocação, mas também como produzir e fazer mais com o que temos. 

Neste sentido, o conceito de poupança é fundamental, o que não significa renunciar aos níveis de atividade, mas sim fazê-lo de forma mais eficaz. "Se você fechar uma fábrica não se poupa", disse o ministro. 

Para este processo de análise, argumentou ele, é importante preparar a administração, que é responsável por fornecer os elementos necessários para encontrar soluções para os problemas. "Temos de procurar alternativas e potencialidades em cada lugar, não é uma questão de olhar para cima". 

Gil Fernández referiu-se às palavras do presidente cubano, que tem insistido que "na atual conjuntura é preciso de gente que tenha sensibilidade e capacidade para liderar, para buscar soluções; não pessoas que peçam mais". 

"Temos de identificar o que mais pode ser feito, e assumir riscos, porque na economia não se trabalha com risco zero, especialmente no setor empresarial. Por isso é necessário eliminar a verticalidade e buscar uma conciliação horizontal, e soluções em nível territorial. O resultado de 2019 é um sinal de que podemos e podemos fazer ainda mais", disse ele. 

Exportar mais, uma prioridade para 2020 

O crescimento e a diversificação das exportações é a única verdadeira fonte de receitas em moeda estrangeira, a outra é o financiamento, mas isso cria dívidas que tem que ser pagas, explicou o Ministro do MEP no programa Mesa Redonda. 

Além do crescimento das vendas de produtos tradicionais como rum, tabaco e açúcar, outros produtos foram consolidados em Cuba (mel e carvão, por exemplo), mas ainda prevalece uma mentalidade de importação. "A primeira alternativa é sempre a importação e não gastamos tempo avaliando as possibilidades de exportação".

Para este ano, quando se espera que as exportações cresçam 3,7%, foram criadas novas possibilidades, como potencializar formas de financiamento em certas empresas que lhes permitam reter parte da moeda estrangeira para garantir as suas necessidades: 

  • A empresa de vários produtos da Sancti Spíritus, que produz colchões e lençóis, já tem uma exportação estimada em 1 milhão e 517 mil dólares.
  • As várias indústrias de Pinar del Río, cerca de 150 mil dólares. 
  • Um projeto de desenvolvimento local para sucos de frutas em Ciego de Ávila, mais de 2 milhões de dólares.
  • O Grupo Empresarial GARDI, de Matanzas, 1 milhão e 60 mil dólares

"A todas estas potencialidades temos criado formas de financiamento que permitam sua expansão e crescimento, aos quais queremos que também tenham impacto na comunidade. Os problemas das comunidades já não podem ser resolvidos em nível central". 

O chefe do MEP expressou a necessidade de dar prioridade às exportações, mesmo que haja demanda interna. "O excedente não é exportado, porque mesmo que haja demanda, com essa renda das vendas ao exterior importamos trigo, que é necessário para fazer pão, ou seja, os produtos que fazem falta no país são comprados." 

A fim de aumentar essas vendas, o ministro comentou sobre as análises nos territórios pelo Ministério do Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro para ver que fundos são exportáveis das localidades. 

"Quando dizemos que temos de ter um planejamento mais horizontal, é isso que queremos dizer". Porque, "precisamos aumentar as exportações pouco a pouco, nada é insignificante e tudo passa pela mentalidade, pelo senso de urgência". 

Gil Fernandez lembrou que para o ano de 2020 espera-se um crescimento de 3,7% nas exportações. "Isto está no papel, temos de tornar concreto. E embora o plano seja objetivo e realizável, ele não cai do céu."

Promover o turismo junto com a produção nacional  

A redução das importações para o setor do turismo e o aumento da produção interna é uma prioridade para 2020, dado o elevado nível de produtos adquiridos no estrangeiro com que a indústria do lazer trabalha. 

"Um dos problemas existentes é que o turismo tem uma demanda que não pode esperar até que o produtor nacional tenha capacidade para produzir e não pode ser proibido de importar", disse ele. 

Dada esta realidade, a chave é como conseguir o financiamento para o produtor nacional em tempo útil, já que às vezes você tem o dinheiro e ele não chega a tempo, reconheceu.

Ele lembrou que em 2019 a  Finatur, uma instituição financeira não-bancária que pode fornecer esse financiamento aos produtores, foi reativada. O objetivo é que eles produzam com os mesmos dólares que estavam planejando importar. 

A Finatur concedeu 12,9 milhões de dólares para o financiamento, dos quais a Bravo recebeu 5,6 milhões de dólares, enquanto La Estancia recebeu 3,2 milhões de dólares. 

O Plano Econômico para este ano inclui mais de 40 milhões de dólares para a indústria nacional. E "há um amplo consenso entre o setor do turismo, a indústria e a agricultura", disse ele. 

"Há muitas questões que devemos promover e resolver, mas estão sendo criados os caminhos para que o setor empresarial tenha acesso à moeda", disse Gil Fernández, que informou que a Finatur deve entregar US$ 20 milhões para o pré-financiamento da indústria nacional. 

Porque estamos diante de uma emergência: "O importante é que o turismo cresça, mas que não aumente ainda mais os gastos com importações, caso contrário o lucro líquido é negativo.

A estratégia do turismo, disse o ministro, é manter o crescimento desta atividade chave para a economia cubana, mas acompanhada de uma diminuição das importações, especialmente no agronegócio e nas indústrias leves e eletrônicas. Ao mesmo tempo, é essencial aumentar a qualidade do produto turístico.

Vinculação da empresa estatal ao investimento estrangeiro

Outro assunto abordado pelo ministro foi sobre o investimento estrangeiro, como elemento fundamental para alcançar o desenvolvimento da economia. 

Ele mencionou a importância de gerar mecanismos para que a indústria nacional esteja ligada a este setor. "Não é a mesma coisa que as empresas sediadas no território importem insumos aos quais as empresas nacionais têm acesso". Para isso, disse ele, é necessário criar mecanismos para que os produtores possam vender em melhores condições. 

No caso da joint venture Bravo, ela precisa de 2.000 toneladas de carne suína da indústria da carne, o que exige que sejam mais competitivos. Acontece também na Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel, onde um grupo de empresas demanda bens e serviços.  

Uma das medidas aprovadas em 2019 pelo governo para fortalecer a empresa estatal foi a possibilidade de as entidades que vendiam para a ZEDM reterem 50% dos ganhos em divisas

"Esta é uma expressão do desejo de mais gestão financeira da economia e menos administração. Se você exporta você mantém uma parte da renda, se você vende para o turismo ou a Zona Especial você mantém uma parte da renda em moeda estrangeira, além da dependência da conta central". 

Transformações profundas na empresa estatal socialista

O ministro da Economia e Planejamento anunciou que 2020 deverá ser um ano de profundas transformações na empresa estatal. 

"Não podemos dizer que enquanto a alocação de divisas estiver centralizada não haverá autonomia, não podemos esperar que tudo esteja descentralizado, sempre teremos que manter prioridades, como saúde e educação", disse ele. 

Contudo, reconheceu a persistência de obstáculos, bem como a necessidade de avaliar a ligação entre a empresa estatal e o plano, um processo em que "precisamos de maior flexibilidade, temos de ser menos detalhados e atribuídos".  

Entre as medidas aprovadas nos últimos anos, o chefe da empresa apontou a diminuição dos elementos de encargo do Estado e dos indicadores de gestão. "Precisamos de empresários, mas devemos criar condições para que os empresários atuem como tal, e há espaço para encontrar possibilidades que permitam gerir o setor estatal de forma diferente".

Ele disse que tudo precisa ser revisto, não há uma causa única, pois também é uma questão de recrutar e preparar os quadros.

Ele se referiu às 28 medidas aprovadas no final de 2019, que exigem autonomia e autogestão. A este respeito, ele questionou se as facilidades são pouco utilizadas. "Temos que tomar decisões e não seguir consultando as coisas autorizadas".

No final de sua entrevista, o ministro falou das prioridades para este ano, durante o qual se mantém o desenho do trabalho do Plano de Desenvolvimento até 2030, com os setores e eixos estratégicos.

Uma questão tem a ver com a ordem monetária do país, que se encontra numa fase avançada de estudo. Esta etapa permitirá um contexto financeiro mais favorável para desenvolver as mudanças que estamos projetando, disse ele. 

Gil Fernández disse que a pressão da administração dos EUA vai continuar. "Continuaremos nos impondo, procuraremos alternativas e atingiremos as metas que estabelecemos para nós em 2020". Para isso, precisamos trabalhar juntos, o vínculo entre universidade e empresa, as transformações no setor estatal e os incentivos no setor não estatal. 

"Será um ano duro e tenso, mas de grande transformação. O império não será capaz de nos enfrentar", concluiu.

Comentários