Reino Unido convoca embaixador do Irã em Londres

Ato vem após embaixador britânico ter sido detido temporariamente em Teerã, acusado de ter incitado protestos contra governo iraniano; 'inaceitável violação' do direito internacional, disse Londres

O governo do Reino Unido convocou nesta segunda-feira (13/01) o embaixador do Irã em Londres, Hamid Baeidinejad, para protestar contra a detenção temporária e o pedido de expulsão do representante diplomático britânico em Teerã, Rob Macaire, no último sábado (11/01).

Em nota, o governo britânico disse que o episódio envolvendo Macaire é uma "inaceitável" violação do direito internacional e das convenções diplomáticas e pede explicações ao Irã. 

"Nós estamos buscando garantias totais do governo iraniano para que isso nunca volte a acontecer", disse um porta-voz de Downing Street ao jornal The Guardian. O diplomata foi acusado de incitar protestos contra o governo iraniano durante uma vigília em memória das vítimas da queda do avião da Ukraine International Airlines (UIA).


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


A convocação de um embaixador ou representante diplomático para dar explicações é um gesto forte na diplomacia de demonstrar descontentamento.

A manifestação, da qual Macaire participou, ocorreu após o governo iraniano ter admitido que o avião ucraniano fora derrubado "por engano" por seu sistema de defesa antiaérea. 

Wikicommons
Reino Unido convocou o embaixador do Irã em Londres, Hamid Baeidinejad

O embaixador britânico em Teerã se justificou com o argumento de que pensava que a manifestação seria apenas uma vigília pelas 176 vítimas. "Eu saí depois de cinco minutos, quando alguns começaram a cantar", disse o diplomata, que ficara detido por cerca de meia hora, até ser identificado pela polícia.

Por sua vez, o Irã acusou Macaire de "comportamento inapropriado" e o convocou para prestar explicações no último domingo (12/01).

O Boeing 737-800 da UIA levava 176 pessoas e foi abatido pelo sistema de defesa antiaérea do Irã, que o confundiu com um míssil norte-americano, na madrugada da última quarta (08/01). O governo iraniano admitiu o erro "desastroso" e prometeu punir os responsáveis.

Todas as 176 pessoas a bordo morreram, incluindo 82 iranianos, 63 canadenses, 11 ucranianos, 10 suecos, quatro afegãos, três britânicos e três alemães. O episódio ocorreu na mesma madrugada em que o Irã lançou mísseis contra duas bases militares dos EUA no Iraque, em resposta à morte do general Qassem Soleimani em um bombardeio norte-americano. 

*Com ANSA

Comentários