Médicos ameaçam demissão coletiva inédita em defesa dos hospitais públicos na França

Mais de 1.200 médicos, chefes de serviços hospitalares, anunciaram a decisão em uma carta enviada nesta terça-feira à ministra da Saúde, Agnès Buzyn

Redação

RFI RFI

Paris (França)

O jornal Libération desta terça-feira (14/01) destaca a ameaça de demissão coletiva dos chefes de serviços hospitalares na França para pressionar o governo a salvar os hospitais públicos do país. A decisão é inédita, anuncia o jornal em sua manchete de capa. 

“A reforma do sistema hospitalar público francês, considerado um dos melhores do mundo, é urgente”, aponta a matéria. Mais de 1.200 médicos, chefes de serviços hospitalares, anunciaram a decisão em uma carta enviada nesta terça-feira à ministra da Saúde, Agnès Buzyn. Eles denunciam a falta de verbas, de pessoal, estabelecimentos deteriorados e exigem a abertura imediata de negociações. "A rebelião", como escreve Libération, é uma iniciativa do coletivo inter-hospitalar, que não reivindica nenhuma tendência política ou sindical.

"Queremos alertá-la solenemente que tomaremos, com responsabilidade, esta decisão histórica e forte a partir de 14 de janeiro, se o governo não iniciar negociações", escrevem os médicos na carta reproduzida pelo diário. "A degradação das condições de trabalho dos profissionais hospitalares é tamanha que ela ameaça a qualidade dos tratamentos e coloca em risco a segurança dos pacientes", continua o texto.


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


Os chefes se afastam somente das funções de direção e administrativas. Eles vão continuar exercendo como médicos nos hospitais onde trabalham e garantem que o tratamento dos doentes será mantido. "Mas além do símbolo forte, a vida hospitalar será afetada com a decisão", acredita o jornal.

Apoio de funcionários e enfermeiros

O protesto afeta todos os serviços, todas as regiões e todos os hospitais do país. Em Marselha, por exemplo, terceira maior cidade francesa, no sul do país, 50 diretores assinaram a carta de demissão. O movimento tem apoio de outros profissionais. Um abaixo-assinado de enfermeiros e funcionários hospitalares em defesa dos chefes de serviço já recebeu quase cinco mil assinaturas.

La France insoumise
Trabalhadores realizam greves na França desde dezembro contra reforma da previdência de Emmanuel Macron

Esta dupla iniciativa marca uma guinada na crise crônica que afeta o sistema hospitalar francês, avalia Libération. Quatro planos ministeriais sucessivos e anúncios de verbas suplementares não conseguiram dissipar a desconfiança dos profissionais do setor. “O mais grave dessa crise talvez seja essa desconexão entre médicos e governo”, diz o diário.

A ministra da Saúde, apesar de ser reconhecida como uma médica brilhante, tardou a se dar conta da gravidade do problema. Ela não teve um discurso político adaptado, considera o jornal. Na administração Macron, que tem a ambição central de baixar os impostos e consequentemente as despesas, o “serviço público faz figura de primo pobre”, denuncia o editorial do diário progressista.

Aumento do custo de atos hospitalares

Na segunda-feira (13/01), Agnès Buzyn pediu tempo e prometeu, em entrevista a imprensa, que o custo dos atos médicos nos hospitais, repassado aos estabelecimentos pelo governo, terão seu preço valorizado em 0,5%. Neste mês, como parte das medidas de urgência que ela havia anunciado em novembro de 2019, € 150 milhões serão liberados para a compra de material e cerca de cem mil enfermeiras e auxiliares de enfermagem devem começar a receber os bônus prometidos, informa o texto.

Os demissionários, no entanto, aguardam a resposta da carta que enviaram à ministra e anunciam um novo dia de mobilização nacional antes do fim de janeiro. Eles pedem um aumento salarial significativo, além das gratificações já concedidas, e € 600 milhões para financiar os hospitais, além dos € 200 milhões já prometidos pela ministra.

Para que o sistema hospitalar francês continue sendo um dos melhores do mundo, é necessário um empenho financeiro substancial, como pedem os médicos, respalda o editorial.

Comentários