'Ano de 2019 foi vitorioso contra as agressões imperialistas dos EUA', diz Maduro

Em sua mensagem anual à nação, presidente afirmou que o país norte-americano ameaça o mundo com 'bloqueios econômicos, negação da mudança climática e ataques bélicos ilegais'

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta terça-feira (14/01) que o ano de 2019 foi vitorioso contra as "agressões imperiais" orquestradas pelos Estados Unidos contra o país. 

Em sua mensagem anual à nação, Maduro afirmou que o país norte-americano ameaça o mundo com ações "perigosas" como "bloqueios econômicos, negação da mudança climática e ataques bélicos ilegais". 

"O ano de 2019 foi um ano de vitórias contra a agressão imperial dos Estados Unidos e em que o povo venezuelano demonstrou a decisão inalienável de lutar para a Pátria", disse.


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


O Chefe de Estado também criticou a relação de Washington com o "setor mais radical da direita" do país, que, segundo ele, "quebrou todos os códigos e limites colocando-se de joelhos nas ordens imperiais dos Estados Unidos contra a nossa pátria".

Diante da Assembleia Nacional, Maduro enalteceu os venezuelanos afirmando que o povo "decidiu" lutar pela Pátria e que o "heroísmo" da população "voltou a brilhar". 

“O heroísmo do povo voltou a brilhar em um ano em que o império causou grandes danos ao povo venezuelano, gerando uma guerra econômica que se intensificou de várias maneiras. No entanto, o povo permaneceu de pé e permaneceu firme e em defesa do processo revolucionário", afirmou.

Durante o discurso, Maduro destacou a atuação do setor de saúde da Venezuela que, apesar do bloqueio norte-americano, conseguiu realizar mais de 93 milhões de consultas gratuitas, muitas sendo nas casas dos venezuelanos, e 590 mil cirurgias. 


Prensa Presidencial
Nicolás Maduro fez discurso anual para Assembleia Nacional sobre sua gestão

"373.000 partos e cesarianas foram atendidos no Sistema Público de Saúde", afirmou Maduro, pontuando que a saúde na Venezuela é "um direito inalienável" que deve ser garantido. 

"Eles impediram a chegada de navios e aviões com remédios à Venezuela. É uma perseguição mundial dos EUA ao direito à saúde e à medicina", disse."

O presidente ainda anunciou ainda a criação do Plano Especial de Educação 100%, onde será incentivado que todas as famílias tenham seus filhos matriculados no sistema educacional do país. 

"Entregamos livros, material escolar e o necessário. Muitas dessas peças são importadas pelos países irmãos, mas temos que produzir no Plano Industrial todas as mochilas da Venezuela, todos os lápis, além dos cadernos e livros”, disse. 

Maduro apontou também que os estudos universitários da Venezuela são gratuitos e garantidos a todos os cidadãos do país. 

Marcha

Nesta terça-feira, venezuelanos saíram às ruas para apoiar o presidente Maduro em seu discurso e rechaçar as ingerências norte-americanas no país. Os manifestantes também estavam protestando em defesa da paz na Venezuela. 

A mobilização tinha como destino o prédio do poder legislativo em Caracas, capital do país. A marcha passou por diversas ruas da cidade e por universidades de Caracas. 

Segundo a VTV, a manifestação contou com uma grande presença da juventude venezuelana que defendeu "terem protagonismo" e "lideranças" para apoiarem a população.

"Agora temos destaque, somos meninos e meninas, jovens líderes e estamos em organizações para apoiar a população", disse um dos manifestantes.

(*) Com VTV.

Comentários