Irã autoriza participação de ucranianos na análise da caixa-preta do Boeing que caiu em Teerã

Chanceler iraniano, Javad Zarif, disse ainda que o país está pronto para entregar os corpos das vítimas ucranianas do acidente

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, manifestou nesta quinta-feira (16/01) a disponibilidade do país persa para entregar os corpos das vítimas do acidente com o Boeing 737-800, que caiu em Teerã na última terça-feira (07/01) matando os 176 passageiros, e permitir que peritos ucranianos se envolvam no exame da caixa-petra. 

A declaração foi feita em conversa telefônica com o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Vadim Pristaiko, na qual os dois discutiram a situação em torno do desastre aéreo.

O chanceler ucraniano, por sua vez, se disse agradecido pela rápida declaração de responsabilidade do Irã pelo incidente e por sua cooperação em todas as etapas.


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


Todos os 176 passageiros a bordo do avião da Ukraine International Airlines que voava rumo a Kiev morreram no acidente ocorrido logo após a decolagem do aeroporto internacional Imam Khomeini, em Teerã, no dia 9 de janeiro.

Entre as vítimas estavam mais de 140 iranianos e 32 passageiros de outros países, incluindo Ucrânia, Suécia, Alemanha e Grã-Bretanha.

Agência Irna Ukranian Airlines
Destroços do voo 737-800 da Ukraine International Airlines

No dia 8 de janeiro o Exército iraniano bombardeou com mísseis duas bases usadas por militares norte-americanos no Iraque, em represália pela morte do general Qassim Soleimani, comandante da Força Quds, do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica. O comandante foi assassinado em 3 de janeiro em um ataque aéreo dos EUA nas proximidades do aeroporto de Bagdá. 

Horas depois do bombardeio contra as bases, a defesa antiaérea do Irã derrubou um Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines, que tinha acabado de decolar do aeroporto de Teerã com destino a Kiev. 

Em 11 de janeiro o Irã admitiu que o avião tinha sido derrubado por erro humano, após um operador achar que a aeronave era um alvo inimigo que tinha se aproximado demais de uma instalação militar. 

* Com Sputnik

Comentários