Avós da Praça de Maio dizem que Kirchner deu a vida pela Argentina

Avós da Praça de Maio dizem que Kirchner deu a vida pela Argentina

ANSA

A presidente da organização argentina Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, lamentou hoje (27/10) a morte do ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007) e disse que ele "deu a vida por seu país".

Carlotto, em entrevista a rádios locais, assegurou que a mandatária Cristina Kirchner, sua esposa, "fica no comando de um país, mas muito sozinha" com o falecimento do marido.

Leia mais: 
Morre Néstor Kirchner, ex-presidente da Argentina
Amorim diz que morte de Kirchner é perda para América do Sul
Eleito durante crise, Kirchner se tornou uma das figuras políticas mais importantes da Argentina 
Argentina celebra o Bicentenário de Independência e aposta na recuperação econômica 
Kirchners superam parte das dificuldades e recuperam prestígio 
Macarena Aguiló: memórias de uma menina sequestrada pela ditadura 

"Nosso país necessitava muito desse homem. Foi uma pessoa indispensável", manifestou a militante do grupo de defesa dos direitos humanos, que se mostrou a favor do casal Kirchner em polêmicas como as suscitadas pela recente lei de comunicação e as medidas em torno do setor agropecuário.

Nas duas gestões do casal, o governo atendeu à principal reivindicação do grupo ao patrocinar a revisão da lei da anistia. A medida tornou possível o julgamento e a condenação de agentes da ditadura militar local (1976-1983).

O movimento surgiu na década de 1970 após familiares de vítimas da repressão denunciarem à comunidade internacional os desaparecimentos de filhos de sequestrados políticos. As Avós da Praça de Maio conseguiram devolver a suas famílias mais de 100 netos, mas calculam que ainda faltam serem localizadas cerca de 400 pessoas.

O grupo era um dos indicados ao Prêmio Nobel da Paz de 2010, cuja candidatura foi postulada no final de janeiro pelo senador argentino Daniel Filmus, da FPV (Frente pela Vitória).

Siga o Opera Mundi no Twitter 

Comentários

Leia Também