Funcionários da BBC iniciam greve contra reforma da previdência

Funcionários da BBC iniciam greve contra reforma da previdência

Agência Efe

Membros do Sindicato Nacional de Jornalistas (NUJ, National Union of Journalists) começaram nesta sexta-feira (5/11) uma greve de 48 horas na BBC em protesto pela reforma do plano de previdência.

O sindicato, que conta com 4.100 filiados entre os funcionários da emissora pública, rejeitou o que a direção da BBC qualificou de sua oferta "final" na matéria.

Leia mais:
Paralisação na França impede jornal Le Monde de circular
Reportagem especial: Debate sobre liberdade de imprensa e regulação da mídia avança no mundo
“Aqui é um faroeste”, diz especialista; debate deve retornar após as eleições
Empresas brasileiras criticam situação atual, mas são contra mudanças nas leis de mídia
Novas leis e projetos na América Latina esquentam polêmica entre mídia e governos

Segundo informou a própria emissora, a greve afetou o programa Today, da Radio 4, mas não outro programa informativo matutino, o Breakfast News, da cadeia BBC 1.

Ao contrário da NUJ, um segundo sindicato, o Bectu, que inclui técnicos e pessoal das equipes de produção, aceitou a última oferta da direção.

Segundo a NUJ, a maioria dos programas de rádio e TV da emissora serão fortemente afetados pela greve, da qual participarão apresentadores famosos, assim como repórteres e produtores.

Os grevistas protestam contra o plano da emissora para reduzir o atual déficit do fundo de previdência, que chega a 1,5 bilhão de libras (1,61 bilhão de euros).

O secretário-geral do sindicato, Jeremy Deare, qualificou a proposta da empresa de "roubo da previdência" e disse que espera um forte apoio à greve.

Em mensagem ao pessoal da BBC, o diretor-geral da entidade pública, Mark Thompson, disse que a greve vai afetar negativamente algumas emissões, mas de nenhuma maneira vai servir para reduzir o déficit da previdência a para eliminar a necessidade de reformá-la.

Siga o Opera Mundi no Twitter  

Comentários