Wikileaks: EUA acusam Evo Morales de simular trama terrorista para perseguir a oposição

Wikileaks: EUA acusam Evo Morales de simular trama terrorista para perseguir a oposição

Daniella Cambaúva

Diplomatas norte-americanos na Bolívia afirmaram que o plano para matar o presidente Evo Morales, denunciado pelo governo em 2009, foi, na verdade, arquitetado pelo serviço boliviano de inteligência para incriminar a oposição, revelaram documentos secretos revelados pelo Wikileaks ao jornal espanhol El País na edição desta quinta-feira (30/12).

Nas mensagens enviadas a Washington em maio de 2009, os diplomatas norte-americanos  relataram o episódio ocorrido em16 de abril do ano passado, quando um comando de elite da polícia boliviana entrou em um hotel em Santa Cruz de La Sierra. Três homens, dois húngaros e um irlandês, morreram, e duas pessoas, um croata e um húngaro, foram presos. Alguns deles tinham também nacionalidade boliviana. Após a operação, Morales afirmou que os cinco estrangeiros haviam sido contratados pela oposição para assassiná-lo.

Leia mais:
''Tomar o poder não é construir poder'', diz vice de Evo no Brasil
Petrobras ressalta importância do gás boliviano para o Brasil
Partido governista boliviano quer punir cultivo ininterrupto de terras
Longe de casa, mães bolivianas recebem amparo em hospital de São Paulo
Povos indígenas vêm ganhando mais participação na América Latina, dizem especialistas

Os diplomatas, no entanto, afirmaram ter ouvido de uma “fonte confiável” que os cinco haviam sido contratados pela inteligência boliviana para montar um falso plano terrorista e, assim, justificar a perseguição contra líderes de Santa Cruz, reduto da oposição e o departamentos mais rico do país.

Em um documento de 23 de abril de 2009, consta que o vice-presidente, Álvaro García Linera, disse aos funcionários da Embaixada que os cinco estrangeiros atacaram a policia com armas de fogo e explosivos no hotel. 

Segundo o El Pais, a Embaixada dos EUA em La Paz informou que não tem como comprovar o que  foi escrito nos despachos, mas alega que as informações foram transmitidas por uma “pessoa bem situada”.

Em abril de 2009. quando Morales denunciou a tentativa de assassina-lo, a politica boliviana estava em um momento de fortes desentendimentos entre governo e oposicionistas. A oposição era contra a aprovação nova lei eleitoral, que reserva uma cota de cadeiras a setores indígenas e garante o voto dos bolivianos no exterior, entre outras medidas que aumentam a participação popular no país. 

Meses antes, o presidente da Venezuela, Hugo Chavez, também afirmou que havia uma  conspiração para matar o colega boliviano, com ajuda dos EUA.


Siga o Opera Mundi no Twitter  
Conheça nossa página no Facebook



Comentários

Leia Também