Crise econômica afeta a BBC, a “voz internacional” do Reino Unido

Crise econômica afeta a BBC, a “voz internacional” do Reino Unido

Lamia Oualalou

O legendário serviço “Mundo” da BBC, a British Broadcasting Corporation, foi a primeira vítima das reduções drásticas de orçamento exigidas pelo governo do Reino Unido. Depois de ter anunciado uma diminuição das verbas de 16% para os próximos quatro anos, Mark Thompson, o diretor-geral da empresa, anunciou um esforço adicional de 4% para economizar no total 400 milhões de libras (cerca de R$ 1,07 bilhões).

Cinco de seus 32 serviços de línguas serão definitivamente fechados (trata-se dos serviços macedônio, albanês e sérvio, assim como os serviços em inglês para o Caribe e em português para a África). Além disso, serão encerradas as transmissões de rádio em ondas curtas de seis outros departamentos - hindi, indonésio, quirguize, nepalês, swahile e o serviço para a Região dos Grandes Lagos na África, que transmite para Ruanda e Burundi. Programas de rádio em sete outras línguas - azeri (Azerbaijão), mandarim, rússo, espanhol para Cuba, turco, vietnamita e ucraniano – também sofreram cortes. O serviço em árabe não terá mais transmissão à noite.

Leia mais:
Reino Unido perde instrumento de influência com cortes na BBC, diz especialista
Funcionários da BBC iniciam greve contra reforma da previdência
Paralisação na França impede jornal Le Monde de circular
Reportagem especial: Debate sobre liberdade de imprensa e regulação da mídia avança no mundo
“Aqui é um faroeste”, diz especialista; debate deve retornar após as eleições 

Daqui a 2014, isso significa uma redução de 650 postos de trabalho, ou seja, um terço dos 2.400 funcionários do Serviço Mundo. O orçamento da BBC Brasil também será reduzido de 10% nos próximos três anos.

O Serviço Mundial começou suas transmissões em 1932 e ganhou rapidamente muito prestigio. Por meio das frequências da BBC, o general Charles de Gaulle fez seu apelo, em 18 de junho de 1940, convocando o povo francês à resistência contra a ocupação nazista.

“O serviço mundial tem um valor incalculável para promover a imagem britânica no mundo”, consideram os especialistas de Oxford Analítica. Eles acreditam que o fato do Serviço passar a focar mais em internet não poderá compensar a perda.

Os sindicatos de jornalistas concordam. Jeremy Dear, o secretário-geral da União Nacional de Jornalistas (NUJ, na sigla em inglês), afirmou que o Serviço Mundial era “vital” e devia “ser protegido”. Pedindo a intervenção do presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Comuns, Richard Ottaway, o NUJ assegura que a decisão da BBC vai “prejudicar de forma severa os interesses nacionais da Grã-Bretanha".

A avaliação do ex-ministro do partido trabalhista Denis MacShane é ainda mais dura: “O governo está conseguindo o que nenhum ditador fez antes, silenciar a BBC, a voz da Grã-Bretanha, a voz da democracia e do jornalismo independente, no momento no qual é mais importante que nunca”. Até o deputado conservador Andrew Tyrie, da maioria governamental, sugeriu usar os fundos da ajuda ao desenvolvimento – um dos únicos orçamentos que aumentaram este ano – para evitar os cortes na BBC.

Apesar de algumas manifestações em frente à empresa, a resignação parece prevalecer. Não é a primeira reestruturação, e a situação econômica do Reino Unido não deixa muita esperança. Uma ano após a saída da recessão, o produto interno bruto voltou a cair, -0,5%, no último trimestre de 2010. As condições meteorológicas, com um frio muito mais intenso que o de costume, não explicam sozinhas o resultado negativo, que surpreendeu os economistas.


Paralelamente, a inflação atingiu 3,7% em dezembro, o que pode impedir o Banco Central de adotar juros mais baixos, para tentar dinamizar o crédito e o consumo apesar de todos os cortes nos gastos públicos. Estabilizado durante 2010, o desemprego voltou a aumentar, afetando 2,5 milhões de pessoas, o que representa 7,9% da população ativa.


Siga o Opera Mundi no Twitter 
Conheça nossa página no Facebook 

Comentários

Leia Também