Movimento "12M15M" ocupará espaços públicos em todo o mundo

Entre 12 e 15 de maio, protesto internacional "Ocupa, Acampa – 12M#15M" será realizado em mais de 40 países

José Neto | Brasil de Fato

 

Cartaz de divulgação do 12M no Rio de Janeiro, via OcupaRio
 
Mais de 40 países farão do dia 12 ao dia 15 de maio um protesto internacional denominado "Ocupa, Acampa – 12M#15M". Sintonizados com o espírito de indignação e transformação social, grupos, redes, movimentos sociais e ativistas estão organizando através das redes sociais e de assembleias diversas atividades culturais conectadas com as manifestações internacionais, mas pautadas em temas nacionais.
 
No Brasil, doze estados participarão dos atos. Em São Paulo, as ocupações serão na capital, na Praça Charles Miller, em Ribeirão Preto e Bauru; em Goiás, o protesto será em Anápolis; no Paraná, Pernambuco, Santa Catarina, Bahia, Rio Grande do Sul, Ceará e Maranhão os manifestantes sairão às ruas em suas capitais; em Brasília se concentrarão na praça do relógio; no Rio de Janeiro em dois locais, na Praça Agripino Grieco, no Méier, e na Lapa. Por fim, em Minas Gerais, os protestos serão na cidade de Uberlândia e na capital, Belo Horizonte.
 
As ocupações também acontecerão na maioria dos países da Europa, América Latina, norte da África, Ásia e nos Estados Unidos.
 
O "12M de 2012" surge um ano após o "12 de Março de 2011" - data histórica para a indignação mundial, quando em Portugal, surgiu de forma espontânea uma das maiores manifestações da história recente.
 
O "12 de Março de 2011" foi o rastilho de mobilização cidadã que incendiou várias cidades da Europa, culminando o "15 de Maio" na Espanha, seguindo também o impulso vindo das revoltas no mundo árabe.
 
O ano de 2011 ficou também marcado pelo protesto mundial, no dia 15 de Outubro, com a ocupação de Wall Street, em pleno coração do sistema financeiro global, dando origem ao movimento "Occupy". Em paralelo, inúmeros coletivos locais, de transição, de bairro ou movimentos sociais tematizados organizavam-se propondo alternativas.
 
*
 
Publicado originalmente no site Brasil de Fato
 

Comentários