A luta globalizada do Movimento Estudantil Internacional

União mundial contra o aumento da comercialização e privatização da educação pública

Amanda Amorim

Imagem via Waging Nonviolence

 

Em novembro de 2012, mais de dez mil estudantes protestavam contra medidas do governo em Montreal. Simultaneamente, protestos estudantis ocorriam ao redor do mundo. Era a semana do Global Education Strike, quando vários estudantes faltaram às aulas para ir à rua. Quem combinou tudo foi o site pouco polular ism-global.net, mais conhecido como Movimento Estudantil Internacional.

 

Samuel n07: Educação Sem Fronteiras

 

O site foi criado há quatro anos e é completamente descentralizado e sem hierarquias, assim como não possui nenhuma filiação com partidos políticos ou sindicatos de trabalhadores. O ponto em comum entre essas pessoas, de todos os continentes do mundo, é o protesto contra o aumento da comercialização e privatização da educação pública e a luta por uma educação livre e emancipada. O site Waging Nonviolence narra várias ações que ocorreram nos últimos anos e fala também sobre os desafios do movimento.

Leia a matéria completa no site Waging Nonviolence.

 

Apoie a imprensa independente. Assine a revista Samuel.

Comentários