Os dez de Gloria: aposentada abre sua casa para sem-teto da crise

Ao longo de 13 anos, sua pensão já ajudou mais de 160; todos homens

Redação


Gloria tem 60 anos e há 13 dá abrigo a sem-teto; atualmente, seus hóspedes são filhos da crise econômica [imagem via Periodismo Humano]

Com o dinheiro da aposentadoria, a sexagenária Gloria abriu sua casa para abrigar sem-teto. Hoje, são dez pessoas que vivem com ela em Madri; nove das quais homens abandonados por suas famílias e que passaram a morar nas ruas em meio à crise econômica espanhola. Para ajudar a fechar as contas, Gloria criou uma loja de artigos de segunda mão, abastecida por doações de móveis velhos. “Seus garotos” — como ela os chama —, vão de casa em casa em uma van para retirar e entregar móveis e objetos da loja.

A história de Gloria não é recente: começou há 13 anos quando trabalhava voluntariamente para ajudar filhos de prostitutas, abandonados com câncer e síndrome de Down pelas mães. Pelas suas contas, afirma ter ajudado mais de 160 pessoas. “E todos homens”, completa. Perguntada, na reportagem do site Periodismo Humano, pelo porquê da restrição, explica: “porque é deles que a rua está cheia. Basta olhar, para ver como há poucas mulheres”.

Além de comida, cama e roupa lavada, Gloria também oferece tratamento médico aos que precisam — muitos, dependentes químicos que perambulavam pelas ruas madrilenhas. “E, sobretudo, carinho”, diz ela. A um ou outro também já ajudou providenciando cursos de línguas ou computação. Mas não são só boas lembranças que Gloria acumulou no tempo em que acolheu às custas do soldo como aposentada da companhia aérea Iberia. “Nos primeiros anos, alguns até tentaram me matar.”


Perguntada sobre por que só homens, Gloria explica: "é deles que a rua está cheia; basta olhar"

Leia a reportagem completa no site Periodismo Humano.

Comentários