Camboja procura passageiros que desembarcaram de navio após caso de coronavírus

Embarcação atracou depois que outros cinco portos asiáticos recusaram o desembarque por medo da doença

As autoridades do Camboja e a companhia Holland America, dona do cruzeiro "Westerdam", estão procurando mais de 1200 passageiros que desembarcaram na semana passada no porto de Sihanukville, depois que uma mulher norte-americana foi diagnosticada com o novo coronavírus. 

Após sair do navio no Camboja, a passageira, de 83 anos, foi para Kuala Lampur, na Malásia, onde foi submetida a testes que deram positivos para o COVID-19. 

A embarcação atracou depois que outros cinco portos asiáticos recusaram o desembarque por medo da doença. Na ocasião, a imprensa havia informado que nenhuma pessoa havia apresentado sintomas da epidemia.


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


De acordo com as autoridades locais, pelo menos 145 pessoas do navio passaram pela Malásia para seguir viagem para seus países de origem. Já outros turistas estão em Phnom Penh e serão submetidos a testes antes de serem repatriados. No total, 233 passageiros e 747 tripulantes ainda estão no navio.

Wikicommons
Embarcação atracou depois que outros cinco portos asiáticos recusaram o desembarque por medo da doença

A Holland America afirmou que está trabalhando "em estreita coordenação" com vários governos, com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e com os centros de detecção do vírus nos Estados Unidos "para investigar e seguir as pessoas que possam ter estado em contato" com a norte-americana.

*Com ANSA

Comentários