Aula Pública Opera Mundi: por que vivemos em mundo tão acelerado?

Adilson Citelli, professor da USP, afirma que pressão permanente por resultados e a integração dos sujeitos sociais às dinâmicas das tecnologias resultam em tempo acelerado socialmente

Redação

Todos os posts do autor

Opera Mundi TV

Na Aula Pública na FIAMFAAM, Adilson Citelli discute como o tempo foi acelerado socialmente


Nos últimos anos, cresce a percepção de que a vida está passando rápido demais. Falta de tempo, cansaço e excesso de trabalho são sintomas desse processo. Com celulares e conexão instantânea, os trabalhadores são pressionados a produzir cada vez mais. E, sem intervalos e pausas, sofrem para administrar as vidas pessoal e profissional.

Depressão e estresse são consequências do ritmo frenético no cotidiano das cidades. Mas, afinal, por que vivemos em um mundo tão acelerado?

Essa é a indagação que Adilson Citelli, professor titular da ECA-USP, responde na Aula Pública Opera Mundi. Para o especialista, a pressão permanente por resultados e a integração dos sujeitos sociais às dinâmicas das tecnologias resultam em tempo acelerado socialmente.

"Estamos em um momento histórico em que a questão central não é apenas a velocidade externa, ou seja, os mecanismos que operam na sociedade, como, por exemplo, as tecnologias da informação e comunicação. Agora, os próprios sujeitos estão integrados com a lógica temporal do celular e das comunicações. Com o fato de vivermos numa sociedade acelerada, não podemos mais dispensar o circuito do tempo, pois o celular e as novas tecnologias nos acompanham de forma integral. Dessa forma, não lidamos apenas com a velocidade do fenômeno maquínico, externo à ação humana", afirma Citelli.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Adilson Citelli: por que vivemos em um mundo acelerado socialmente?



No segundo bloco, Adilson Citelli responde perguntas do público do campus Vergueiro da FIAMFAAM

 

Comentários