Portugal luta contra incêndios florestais que se aproximam de região turística

Condições meteorológicas dificultam trabalho dos mais de 1.000 bombeiros que tentam conter chamas; cerca de 250 pessoas foram retiradas de suas casas

Marie-Line Darcy

RFI RFITodos os posts do autor

Os bombeiros continuam tentando conter os incêndios florestais que atingem várias partes de Portugal, incluindo a região turística da Algarve. Dezenas de pessoas ficaram feridas e centenas foram retiradas de suas casas.

Apesar das temperaturas terem diminuído um pouco nesta terça-feira (07/08), após terem batido recordes de calor no fim de semana, as condições meteorológicas não facilitam o trabalho dos mais de 1.000 bombeiros que tentam conter as chamas no sul do país. Os incêndios já duram cinco dias no distrito de Faro.

O fogo chegou a ser controlado uma vez, mas ganhou força nesta terça-feira, avançando rumo ao oeste, na direção das estações balnearias da costa Alentejana, onde milhares de turistas passam férias atualmente. Mas a situação é mais preocupante na serra de Monchique, na Algarve, onde várias cidades foram esvaziadas e as chamas de se aproximam do vilarejo de Monchique.

O fogo chegou a ser controlado uma vez, mas ganhou força nesta terça-feira, avançando rumo ao oeste (Foto: Reprodução/Youtube)

Segundo a comandante nacional operacional adjunta da Protecção Civil, Patrícia Gaspar, os incêndios na região ainda apresentam uma “grande complexidade”. Os ventos fortes e o calor são verdadeiros obstáculos para as equipes que tentam apagar o fogo. Além dos bombeiros, ajudados por mais de 400 veiculos e 12 aeronaves, aviões vindos de países vizinhos participam das operações.

Cerca de 250 pessoas foram retiradas de suas casas e 19 mil hectares de florestas já foram destruídos desde o início do incêndio. Mais de 20 pessoas ficaram feridas quando tentavam salvar seus bens.

Os portugueses ainda não se recuperaram do trauma após os incêndios que castigaram o país no ano passado, quando o fogo matou 144 pessoas.

Publicado originalmente na RFI Brasil

Comentários