Incêndio na Espanha destrói milhares de hectares de floresta

Fogo começou na quarta-feira perto de La Torre del Espanyol,a menos de 200 km de distância de Barcelona

Redação

RFI RFI

Paris (França)

Centenas de bombeiros e militares tentam nesta quinta-feira (27/06) controlar um incêndio no nordeste da Espanha. A onda de calor que atinge a região torna ainda mais difícil as operações para conter o fogo, que já destruiu mais de 6 mil hectares de florestas na Catalunha.

O incêndio começou na quarta-feira (26/06) perto de La Torre del Espanyol, um vilarejo na região de Tarragone, a menos de 200 km de distância de Barcelona. Segundo as autoridades locais, o fogo teve início em uma granja industrial.

Quase 350 bombeiros, 120 militares e quinze helicópteros estão lutando para impedir o avanço das chamas. "Temos que voltar vinte anos atrás para ter um incêndio como esse. É uma situação crítica", declarou o chefe de operações do Corpo de Bombeiros, Antonio Ramos.

Apesar de o fogo ter sido estabilizado em algumas zonas, o vento e as altas temperaturas têm provocado a rápida expansão das chamas. "As dificuldades são tão grandes que não podemos falar de um incêndio em fase de controle ou extinção, e sim de um incêndio que está crescendo", declarou o ministro regional do Interior, Miquel Buch, a uma emissora de rádio local.

Pixabay
Fogo começou na quarta-feira perto de La Torre del Espanyol,a menos de 200 km de distância de Barcelona

As chamas se espalham por uma área de cultivo de frutas, oliveiras e vinhedos no vale do Ebro, que fica em uma das regiões mais afetadas pelas altas temperaturas atualmente na Espanha. A poucos quilômetros da origem do incêndio está a usina nuclear de Ascó, mas as autoridades estimam que a estrutura não deve ser atingida, já que o fogo avança na direção oposta, do outro lado do rio Ebro.

Nessa quinta-feira os termômetros chegaram nos 44°C no norte espanhol. A onda de calor deve continuar na sexta-feira, com temperaturas superiores a 40°C, não apenas na Espanha, mas também na França, Grécia e Itália.

Comentários