Governo da Itália proíbe McDonald's em sítio arqueológico de Roma

Projeto do McDonald's, que tinha inauguração prevista para o fim do ano, prometia propagandas discretas e zero impacto ambiental; governo diz que lanchonete podia impactar de modo 'irremediável' o sítio

Redação

ANSA ANSA

Roma (Itália)

O Ministério dos Bens Culturais da Itália anulou nesta quarta-feira (31/07) o procedimento para autorizar a construção de uma unidade da rede americana McDonald's ao lado das Termas de Caracalla, um dos sítios arqueológicos mais importantes de Roma.

A medida já havia sido suspensa por ordem da prefeita da capital italiana, Virginia Raggi, que alegara riscos para o "decoro" e a "imagem" da cidade. O projeto também era alvo de críticas de moradores.

"Já havia manifestado minha contrariedade a um fast-food na área arqueológica das Termas de Caracalla. Informo a vocês que o ministério procedeu para anular a autorização", disse no Facebook o ministro dos Bens Culturais, Alberto Bonisoli, do partido Movimento 5 Estrelas (M5S).

A decisão foi tomada após uma série de contatos entre a pasta e a Prefeitura de Roma, também comandada pelo M5S. Tanto o ministério quanto o governo da capital concluíram que o projeto arriscava impactar de modo "irremediável" uma área arqueológica "única no mundo".

Mike Mozart/FlickrCC
Itália proibiu que unidade do McDonald's fosse construída em sítio arqueológico de Roma

"As maravilhas de Roma devem ser protegidas", disse Raggi nesta quarta. Situadas no centro histórico da cidade, a poucos metros do Coliseu, as Termas de Caracalla são as ruínas de um enorme complexo de banhos públicos da Roma Antiga e foram construídas no século 3 d.C.

O projeto do McDonald's, que tinha inauguração prevista para o fim do ano, prometia propagandas discretas e zero impacto ambiental.

Comentários

Leia Também