Queda de avião no Irã matou 63 canadenses; Trudeau pede que 'acidente seja completamente investigado'

Premiê do Canadá disse que todo o país está 'chocado e triste' com o acidente aéreo

Atualizada às 12h40

Dois canadenses que viajaram ao Irã para realizar a cerimônia de casamento morreram na queda do avião Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines, que decolava do aeroporto internacional de Teerã Imam Khomeini, no sul da capital iraniana, em direção a Kiev, na Ucrânia, nesta quarta-feira (08/01). Todos os 176 passageiros, incluindo a tripulação, morreram.

Arash Pourzarabi, 26 anos, e Pouneh Gourji, 25 anos, viajaram ao Irã para realizar a cerimônia de casamento. Os recém-casados eram estudantes da pós-graduação em ciências da computação pela Universidade de Alberta, no Canadá. A informação foi confirmada pelo presidente da Sociedade do Patrimônio Iraniano de Edmonton, capital da província de Alberta, Reza Akbari, que classificou acidente como "muito devastador".

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, lamentou a morte dos 63 canadenses e disse que todo o país está "chocado e triste" com o acidente aéreo. "Em nome do governo do Canadá, [...] oferecemos nossas mais profundas condolências àqueles que perderam a família, os amigos e os entes queridos nessa tragédia", disse. Em comunicado, Trudeau afirmou que o governo canadense continuará "trabalhando" para "garantir que esse acidente seja completamente investigado e que as perguntas sejam respondidas".


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


Outro casal de canadenses, Pedram Mousavi, 47 anos, e Mojgan Daneshmand, 43 anos, estava na aeronave que caiu nesta quarta-feira. Ambos eram professores da faculdade de engenharia da Universidade de Alberta.

Mousavi e Daneshmand estavam acompanhados das duas filhas, Daria, de 14, e Dorina, de nove anos. Os professores moravam em Edmonton. Em comunicado, o prefeito da cidade, Don Ivenson, disse que estava de coração partido pelas mortes e afirmou que a comunidade "está de luto" e que "sofreu uma perda terrível".


LEIA MAIS:

Após reunião com Putin, presidente da Turquia fala em evitar lágrimas e sangue no Oriente Médio

Fim da presença maligna dos EUA no Oriente Médio começou, diz chanceler do Irã

Trump anuncia novas sanções contra Irã e diz que EUA querem paz

Países do Oriente Médio não devem sacrificar seus vizinhos pelos EUA, diz chanceler do Irã



Naser Javari/ Tasnim
Avião caiu próximo a Teerã; todos os 176 passageiros morreram na queda

A estudante de doutorado Ghanimat Azhdari, 36 anos, também estava no Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines e morreu na queda. Azhdari era da Universidade de Guelph, e atuava na faculdade de ciências humanas e sociais aplicadas. 

A doutoranda era membro do ICCA Consortium, um grupo que apoia povos indígenas pelo mundo. Em nota, o grupo disse que Ghanimat era uma "jovem líder poderosa e apaixonada".

"Ela era uma amiga querida de todos nós e fará muita falta [...] Ghanimat foi amada por todos nós. Sua paixão e força inimitável pela vida permanecerão dentro de nós e florescerão em nosso trabalho coletivo contínuo", afirmou o instituto.

Segundo o governo canadense, mais de 210 mil moradores do país são de descendência iraniana. De acordo com o jornal britânico The Guardian, não há voos diretos que ligam o Irã com o Canadá, com isso, há opção de uma viagem via Kiev que se torna mais acessível.


Comentários