Descoberta lista com 12 mil simpatizantes do nazismo na Argentina

Documento da década de 1930 ajuda a entender esquema de lavagem de dinheiro expropriado de judeus na Alemanha, que passava por Buenos Aires antes de chegar à Suíça; pesquisador encontrou lista em porão de banco alemão

Redação

Deutsche Welle Deutsche Welle

Bonn (Alemanha)

Uma lista com 12 mil nomes de pessoas que simpatizavam com o regime nazista foi descoberta em Buenos Aires e divulgada nesta segunda-feira (02/03) pelo Centro Simon Wiesenthal, que tem por missão encontrar criminosos da Segunda Guerra Mundial.

Um pesquisador argentino encontrou uma cópia da lista, elaborada nos anos 1930 e destruída em 1943, no porão de um antigo banco alemão na capital da Argentina e a repassou ao Centro Simon Wiesenthal.

A lista ajuda a entender um esquema de lavagem de dinheiro pelos nazistas. Por esse esquema, o dinheiro expropriado de judeus na Alemanha era enviado à Argentina e, de lá, depositado na Suíça por intermédio de bancos alemães em Buenos Aires.


QUEREMOS CONHECER VOCÊ MELHOR, LEITOR E ESPECTADOR DE OPERA MUNDI. CLIQUE AQUI


Segundo o diretor para a América Latina do Centro Simon Wiesenthal, Ariel Gelblung, nem todo mundo que está na lista participou desse esquema, mas todo mundo que participou da triangulação está na lista.

Muitas pessoas que constam da lista teriam enviado grandes quantidades de dinheiro a contas bancárias na Suíça. "Acreditamos que o dinheiro que está em grandes contas inativas é produto de expropriações de vítimas judias", afirmou a organização israelense de direitos humanos.

Muitos nomes da lista tinham alguma relação com empresas alemãs ligadas ao regime nazista e incluídas numa lista elaborada pelos Estados Unidos e o Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial, afirmou o Centro Simon Wiesenthal. Alemães na Argentina depositavam o dinheiro em contas bancárias no Schweizerische Kreditanstalt, que depois se converteu no banco Credit Suisse, afirmou a entidade.

wiesenthal.com
Muitos nomes da lista tinham alguma relação com empresas alemãs ligadas ao regime nazista

O dinheiro enviado à Suíça está hoje em contas congeladas desde o fim da Segunda Guerra Mundial. O Centro Simon Wiesenthal pediu ao Credit Suisse que abra os arquivos dessas contas. O banco se dispôs a colaborar para esclarecer o caso, noticiou a imprensa argentina.

Durante a década de 1930, o regime militar do presidente José Félix Uriburu, apelidado de "Von Pepe" por sua germanofilia, era um simpatizante aberto do regime nazista. O partido nazista alemão (NSDAP) tinha 1.400 membros na Argentina. No país havia ainda 12 mil apoiadores da organização sindical nazista Frente Alemã do Trabalho e 8 mil integrantes de outras organizações nazistas.

Depois de uma troca de poder, em 1938, o novo governo argentino do presidente Roberto Ortiz passou a combater os nazistas no país, e o Parlamento criou uma comissão de investigação, que elaborou a lista agora encontrada.

Em 1943, quando o militar fascista Pedro Pablo Ramírez chegou ao poder por meio de um golpe de Estado, ele acabou com a comissão e mandou destruir todas as informações, incluindo a lista com os 12 mil nomes. Mas uma cópia se salvou, e acabou encontrada por acaso pelo pesquisador Pedro Filipuzzi no porão no centro de Buenos Aires.

Segundo Gelblung, o pesquisador encontrou a lista nos anos 1980. "Não sei por que não a divulgou antes", comentou.

Comentários