Dallagnol foi a encontro privado com megabanqueiros: 'O risco tá bem pago'

Na lista de convidados havia bancos investigados pela Lava Jato; em 2018, procurador faturou R$ 400 mil com palestras

Após ter revelado um lucro de R$ 400 mil do procurador Deltan Dallagnol com palestras e livros em 2018, o The Intercept Brasil divulgou em reportagem na noite desta sexta-feira (26/07) que o chefe da operação Lava Jato participou de um evento secreto organizado pela XP Investimentos — uma das maiores corretoras do país — em junho de 2018.

Dallagnol foi a estrela de um encontro com representantes de alguns dos bancos e investidores mais influentes do Brasil e do mundo — JP Morgan, Barclays, Goldman Sachs, Deutsche Bank, Itaú, Santander, entre outros.

A representante da corretora Débora Santos, que fez o convite ao coordenador da força-tarefa da Lava Jato, garantiu que o diálogo seria “privado, com compromisso de confidencialidade” e que já havia feito um encontro parecido com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux: “não saiu nenhuma nota na imprensa”.

Antes de trabalhar na XP, Santos era assessora particular do Ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF. 

"Fazemos econtros regulares com atores do mercado para fazer análises conjunturis sobre temas da atualidade. Estamos na fase de ciclo de encontros sobre Lava Jato e Eleições, por isso estivemos com o ministro Fux, na semana passada, e estamos negociando data com os ministros Barroso e Alexandre de Morais tb.", detalhou Santos durante as tratativas com Dallagnol.

O chefe da Lava Jato, que já havia vendido uma palestra à XP a troco de R$ 33 mil, decidiu aceitar a proposta de Santos e pediu que a XP conversasse com a agência que organiza seus eventos pagos, a Star Palestras. No caso do encontro com banqueiros, não está claro se a ida do procurador foi remunerada.

"O risco tá bem pago rs"

Temendo por sua imagem de caçador de corruptos, Dallagnol decidiu consultar colegas do Ministério Público Federal (MPF): 

Deltan Dallagnol – 15:51:25 – Robito, recebemos o seguinte convite: A XP Investimentos quer você de novo este ano mas quer fazer uma painel com você, Dr. Carlos Fernando, Diogoe Robinho. Querem os 4. Alguém da XP irá fazer perguntas. Não é show??? Vocês fariam isso, certo? Eu fiquei super animada, acho que vai ser o melhor painel EVER! Temos que ver uma data entre 20 e 22 de setembro. Me fala o que vc acha, por favor? Pra Vc ofereceram 25.000. Tem risco de imagem, mas CF e eu achamos que dá pra irmos, apesar do risco.

Roberson Pozzobon – 16:28:37 – Castor também achou que nao há risco, Delta?

Dallagnol – 16:58:41 – castor respondeu: “vou ficar rico”

Dallagnol – 16:58:54 – Achamos que há risco sim, mas que o risco tá bem pago rs.

Dallagnol – 16:59:16 – Cara, olho o quanto apanho publicamente. Uma a mais não vai fazer diferença rs.

Dallagnol – 16:59:21 – (pra mim)

Dallagnol – 16:59:30 – Não sendo nada errado…

Dallagnol – 17:02:41 – Ah, CF acha que tem mais risco no caso de Vc e Júlio, que estão sentando com os bancos

Dallagnol – 17:02:58 – Podemos conversar sobre isso depois, se quiser, mas gostaria de dar resposta, se possível, até amanhã

Pozzobon – 17:37:15 – kkkkkkk

Pozzobon – 17:37:34 – Beleza!

Pozzobon – 17:37:48 – Vamos conversar sim

Pozzobon – 17:39:09 – Não vejo diferença, pois o procedimento é da FT

Pozzobon – 17:40:03 – Mas de fato é nessa questao dos bancos que a coisa é mais sensível mesmo. Vamos conversar com calma depois

Reprodução
Chefe da operação Lava Jato participou de um evento secreto organizado pela XP Investimentos

"Vamos lucrar, ok?"

Os diálogos e documentos revelados pelo Intercept demonstram a intenção de Dallagnol em lucrar com participações em eventos, palestras e livros a custa da fama obtida como chefe da força-tarefa da Lava Jato.

“Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”, disse em um chat do Telegram com sua esposa.

Palestras remuneradas foram peça central no argumento do MPF para pedir a quebra do sigilo bancário do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na decisão que autorizou a quebra, Moro escreveu que os valores recebidos por Lula pelas palestras, apesar de lícitos, bastavam para criar "dúvidas" e justificar a investigação.

Preocupado com sua reputação e com as críticas pelas palestras que vinha vendendo, Deltan conversou por horas, no dia 20 de junho de 2017, com assessores de comunicação do MPF em um grupo do Telegram:

Deltan Dallagnol – 12:33:07 – Mas por que a polêmica sobre isso é ruim?

Dallagnol – 12:33:26 – Vai reforçar coisa boa

Assessor 1 – 12:34:20 – não vai, esse é que é o problema. o que chama a atenção é o negativo, não o positivo.

Assessor 1 – 12:34:56 – Lula não pode dar palestra, procurador que ganha super salário pode…

Assessor 1 – 12:35:32 – procurador fatura e ainda tenta posar de bom moço…

Em nenhum momento, no entanto, Dallagnol cogitou parar de receber para palestrar. Pelo contrário, o procurador e seus colegas continuavam empolgados com a perspectiva de novas palestras remuneradas.

Comentários