MERCEDES SOSA:

CANTANTE DEL PUEBLO

Em 9 de julho de 1935, nasce Mercedes Sosa em São Miguel de Tucumã, no mesmo dia e local em que a Independência da Argentina foi assinada 119 anos antes, em 1816.

No Dia da Lealdade Peronista, em 1950, Sosa, então com 15 anos, é escolhida para cantar o hino nacional em sua escola na frente de todos “bem forte".

No mesmo dia, ela foge com as amigas da escola para participar de um concurso em uma rádio local. Sob pseudônimo de Gladys Osorio, canta “Triste estoy”, de Margarita Palacios, vencendo a premiação.

Em 1957, se muda com o então marido Oscar Matus para Mendoza onde, em 1963, irão fundar o Movimento Nueva Canción junto de outros artistas, como Armando Tejada Gómez e Tito Francia.

O movimento buscava enaltecer a música popular argentina, entendendo o folclore como algo “vivo”, evitando composições puramente comerciais ou estrangeiras, com horizonte “artístico e social”.

Opera Mundi

Faça uma assinatura solidária de

ASSINE AQUI

La Negra, apelido que ganha de seus fãs devido a ascendência indígena, se torna um dos maiores nomes do movimento. Desde 1959, sua carreira se movimenta a passos largos, lançando mais de 30 discos.

Filiada ao Partido Comunista da Argentina, defensora da integração dos povos da América Latina e da independência dos países do continente, fica conhecida como a voz dos "sem voz".

Após o golpe de Estado no país, Sosa é incluída nas listas negras do regime e seus discos são proibidos. É presa durante um show em La Plata, em 1978. No ano seguinte, vai para o exílio até 1982.

Nos anos 1980, canta com os brasileiros Milton Nascimento, Caetano Veloso, Chico Buarque, Gal Costa, Daniela Mercury e Beth Carvalho.

Responsável por divulgar a obra da cantora chilena Violeta Parra, sua voz é eternizada na interpretação de “Gracias a aa vida” da colega de profissão.

Sosa enfrenta a depressão em diversos momentos. Primeiro, ao ser deixada pelo marido em 1965, depois pelo isolamento do exílio, e em 2000, com a morte de sua mãe.

Sua última turnê ocorre em 2008, quando já enfrentava complicações renais. Morre em 4 de outubro de 2009, causando grande comoção na Argentina e no mundo.

Desenvolvimento e texto:
Camila Araujo

Fotos:
Wikicommons Media

Voltar para Opera Mundi