ROSA PARKS:
A FORÇA DE UM GESTO

Rosa Louise McCauley, conhecida como Rosa Parks, nasce no Alabama, nos Estados Unidos, em 1913, e torna-se referência mundial por meio de um gesto aparentemente simples.


Em 1º de dezembro de 1955, Parks recusa ceder seu lugar no ônibus para um homem branco.

Já era quase noite quando Parks toma um ônibus na avenida Cleveland, em Montgomery.

Ela paga sua passagem e senta-se nos bancos destinados às “pessoas de cor”.

Pouco tempo depois, entram muitos passageiros, e algumas pessoas brancas ficaram de pé durante a viagem - o que era entendido como um problema. 

Alguns passageiros negros mudam seus lugares. No entanto, Rosa Parks não aceita a violência. 

Quando tive que enfrentar essa decisão, não hesitei porque senti que tínhamos suportado isso por muito tempo. Quanto mais cedíamos, mais aceitávamos esse tipo de tratamento, mais opressivo se tornava.

Opera Mundi

Faça uma assinatura solidária de

ASSINE AQUI

O ato, apesar de simples, se transforma em uma referência na luta do movimento negro por direitos civis em um país marcado pela segregação racial. 

Por conta da atitude, Parks é presa e, três dias depois, começa o histórico boicote aos ônibus de Montgomery.

Assim, Parks vira um dos ícones da luta pela igualdade racial.

O episódio fortalece o movimento por direitos às pessoas negras. 

Símbolo dessa luta, a militante sofre ameaças de morte e enfrenta dificuldades para encontrar emprego. 

No entanto, ela não esmorece nem recua de suas convicções, utilizando seu prestígio para fortalecer as lutas por igualdade. 

Ocupando a posição até 1957, ela é também uma referência para a luta feminista. 

Em 1943, Parks ingressa na Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor, única mulher da organização.


Participa de reuniões do Partido Comunista norte-americano e luta pela libertação de presos políticos do grupo Panteras Negras. 

Em 1992, publica sua autobiografia, Rosa Parks: My Story.

A ativista morre em 2005, em Michigan. Seu caixão é velado com honras da Guarda Nacional do Estado. 

Desenvolvimento:
Duda Blumer

Texto Original:
Haroldo Ceravolo Sereza

Fotos: Flickr, Ilustração de Fernando Carvall, Open ClipArt, Picryl, Wikicommons

Voltar para Opera Mundi