Aula Pública com Gilberto Rodrigues: Para que serve a ONU?

Professor de Relações Internacionais explica os desafios do multilateralismo no mundo contemporâneo

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A ONU (Organização das Nações Unidas) deve ser analisada por uma perspectiva complexa. Interesses contraditórios coexistem entre países, interferindo diretamente em como a entidade faz a mediação de conflitos. Portanto, análises entusiastas ou pessimistas não conseguem compreender as múltiplas áreas de intervenção da ONU, que tem impacto direto em vários setores ao redor do planeta.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


Esta é análise de Gilberto Rodrigues, pós-doutor pela Universidade de Notre Dame (EUA) e professor da UFABC, ao discutir Para que serve a ONU, na Aula Pública Opera Mundi.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Para o especialista, organismos multilaterais servem para trabalhar com questões que ultrapassam fronteiras e os Estados não conseguem resolver. Portanto, o contexto de criação e os atores envolvidos nas negociações cumprem papel fundamental na abrangência de atuação das Nações Unidas.

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Gilberto Rodrigues explica desdobramentos da atuação da ONU para a geopolítica mundial

"No artigo primeiro de princípios, a ONU explica qual é sua função primordial: manter a paz e a segurança internacional, questões essenciais no contexto de sua criação, ao final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Ou seja, o objetivo central foi evitar uma nova guerra mundial. O segundo princípio é estabelecer relações de amizade e cooperação entre os Estados Membros, atualmente 193 países", explica Gilberto Rodrigues.

Reunida em Havana para encontro do Foro de São Paulo, esquerda latino-americana aposta na unidade

Cuba: Anteprojeto da nova Constituição prevê mandato presidencial de 5 anos e possibilidade de uma reeleição

Putin afirma ter orgulho da Copa a emir do Qatar, país que sediará evento em 2022

 

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Gilberto Rodrigues: Pra que serve a ONU?


No segundo bloco, Gilberto Rodrigues responde perguntas do público da UFABC, em São Bernardo do Campo



Rodrigues explica a dificuldade em estabelecer consensos frente à pluralidade de interesses e atores políticos na ONU. Mesmo questões humanitárias, como a recente emergência de refugiados, enfrentam resistências para um pacto global.

"A ONU, na sua própria perspectiva, serve para ser uma mediadora entre os países. Então, um dos desafios é garantir a igualdade para que países menores e mais frágeis não fiquem em um segundo plano em relação aos demais, lidando com realismo de que nem todos os Estados são iguais. Eles têm desigualdades culturais, econômicas e territorias, e a ONU tenta compensar essa desigualdade com seus vários órgãos", reitera.

Aula Pública Opera Mundi:
Coordenação: Haroldo Sereza
Produção: Dodô Calixto
Edição de vídeo: Daniela Stéfano

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington