Aula Pública com Gilberto Rodrigues: Para que serve a ONU?

Professor de Relações Internacionais explica os desafios do multilateralismo no mundo contemporâneo

A ONU (Organização das Nações Unidas) deve ser analisada por uma perspectiva complexa. Interesses contraditórios coexistem entre países, interferindo diretamente em como a entidade faz a mediação de conflitos. Portanto, análises entusiastas ou pessimistas não conseguem compreender as múltiplas áreas de intervenção da ONU, que tem impacto direto em vários setores ao redor do planeta.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


Esta é análise de Gilberto Rodrigues, pós-doutor pela Universidade de Notre Dame (EUA) e professor da UFABC, ao discutir Para que serve a ONU, na Aula Pública Opera Mundi.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Para o especialista, organismos multilaterais servem para trabalhar com questões que ultrapassam fronteiras e os Estados não conseguem resolver. Portanto, o contexto de criação e os atores envolvidos nas negociações cumprem papel fundamental na abrangência de atuação das Nações Unidas.

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Gilberto Rodrigues explica desdobramentos da atuação da ONU para a geopolítica mundial

"No artigo primeiro de princípios, a ONU explica qual é sua função primordial: manter a paz e a segurança internacional, questões essenciais no contexto de sua criação, ao final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Ou seja, o objetivo central foi evitar uma nova guerra mundial. O segundo princípio é estabelecer relações de amizade e cooperação entre os Estados Membros, atualmente 193 países", explica Gilberto Rodrigues.

Assembleia Constituinte da Venezuela decide assumir parte das funções do Poder Legislativo

Professora que agrediu neonazistas durante protesto em 2016 é levada a julgamento nos EUA

Polícia da Catalunha diz que atropelamento em Barcelona é ataque terrorista

 

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Gilberto Rodrigues: Pra que serve a ONU?


No segundo bloco, Gilberto Rodrigues responde perguntas do público da UFABC, em São Bernardo do Campo



Rodrigues explica a dificuldade em estabelecer consensos frente à pluralidade de interesses e atores políticos na ONU. Mesmo questões humanitárias, como a recente emergência de refugiados, enfrentam resistências para um pacto global.

"A ONU, na sua própria perspectiva, serve para ser uma mediadora entre os países. Então, um dos desafios é garantir a igualdade para que países menores e mais frágeis não fiquem em um segundo plano em relação aos demais, lidando com realismo de que nem todos os Estados são iguais. Eles têm desigualdades culturais, econômicas e territorias, e a ONU tenta compensar essa desigualdade com seus vários órgãos", reitera.

Aula Pública Opera Mundi:
Coordenação: Haroldo Sereza
Produção: Dodô Calixto
Edição de vídeo: Daniela Stéfano

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica