Na Suíça, Dilma Rousseff diz que 'há risco imenso' de se impedir candidatura de Lula e eleições em 2018

Dilma participou de eventos em Genebra e falou sobre cenário no Brasil; ela acredita que liderança de Lula nas pesquisas de intenção de voto em 2018 pode levar a tentativa de impedir tanto eleições como a candidatura do ex-presidente

Durante encontro realizado no Graduate Institute, universidade de pós-graduação de Genebra, na Suíça, a ex-presidente Dilma Rousseff falou sobre as realizações do seu governo, o processo de impeachment e as expectativas das eleições de 2018, numa discussão que tinha como tema "Os Direitos Civis da América do Sul". 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A ex-presidente participou do Festival de filme e fórum internacional de direitos humanos, de 10 a 19 de março na cidade suíça.

Começou com um balanço positivo dos últimos 13 anos, mostrando à plateia internacional, composta por correligionários e opositores, alguns números e fatos. Algumas bandeiras, alguns cartazes e manifestações de apoio ou repúdio mostraram um pouco do momento político brasileiro, mas sem agressões. Um aplauso, uma vaia e alguns risos eram as manifestações democráticas num encontro internacional em que a ex-presidente falou em português, com tradução simultânea.

"Criamos uma ideia básica: combater a pobreza, a miséria e a fome em todo o programa de governo", disse.

A saída do Brasil do mapa mundial da fome, que, segundo a FAO, reduziu a 1,7% a população de subalimentados no Brasil foi um deles. Salientou também o aumento real do salário mínimo de 72% e a taxa de desemprego de 4,6% em 2014.

Oposição ao modelo neoliberal

Ressaltando que foi afastada do governo pelo Senado sem ter sido julgada, a ex-presidente não acredita que o principal motivo do impeachment tenha sido a gravação da conversa entre o senador Romero Juca e Sergio Machado (nomes que preferiu nem citar em seu discurso) em que falaram da necessidade de afastá-la do governo para poderem estancar a sangria da Lava Jato.  "Esse foi um motivo a curto prazo", explicou. "A razão de médio e longo prazos é o enquadramento econômico, social e geopolítico do Brasil que nós, com outros países da América Latina, mostramos que era possível crescer e distribuir renda."

Miguel Bueno / FIFDH

A ex-presidenta Dilma Rousseff durante evento no Festival do Filme e Fórum dos Direitos Humanos (FIFDH) em Genebra, na Suíça

Para Dilma Rousseff, sua vitória em novembro de 2014 impediu a instalação de um governo neoliberal, voltado à redução de impostos e às privatizações.

Congelamento e previdência

Ao analisar a realidade atual brasileira, a ex-presidente criticou medidas adotadas pelo governo Michel Temer, especialmente o congelamento de investimentos por 20 anos – medida aprovada pela Proposta de Emenda Constitucional (PEC), defendida pelo atual governo como uma maneira de conter o rombo nas contas públicas e de superar a crise econômica.

"O congelamento por 20 anos significa que os próximos cinco presidentes eleitos não poderão decidir onde e como gastar seu orçamento", disse.

Protegendo os 'novos pobres' da crise econômica do Brasil

EBC demite e censura coordenador de jornalismo após Agência Brasil cobrir ato do MTST em São Paulo

Discurso machista de Temer no Dia da Mulher repercute na imprensa internacional

 

A reforma da previdência para conter o déficit do INSS – 149,2 bilhões em 2016, cerca de 2,39% do Produto Interno Bruto – foi outro alvo da ex-presidente, afirmando que para chegar à aposentadoria proposta pela reforma uma pessoa teria de começar a trabalhar ainda na infância. "Lugar de jovem é na escola", disse. De acordo com ela, com a nova proposta de uma aposentadoria depois de 49 anos de contribuição, uma pessoa tem de começar a trabalhar aos 16 anos ou menos.

Crise fiscal

Para ela, a crise brasileira é fiscal apenas, ressaltando que o país tem uma reserva de 380 milhões de dólares, sem dívida e sem problemas com os bancos, que não têm créditos podres. "Tivemos o início de uma crise econômica forte e essa crise levou a uma queda de arrecadação no Brasil", disse. Lamentou o fato de que a partir da metade de 2015 não teve mais condições parlamentares de governar e que suas medidas não eram aprovadas. "O novo governo ilegítimo não consegue reverter uma situação que eles deixaram aprofundar porque subestimaram a crise econômica e subestimaram a própria crise política que eles criaram."

Miguel Bueno / FIFDH

A
 ex-presidenta Dilma Rousseff durante evento no Festival do Filme e Fórum dos Direitos Humanos (FIFDH) em Genebra, na Suíça 

Eleições 2018

A ex-presidente salientou à plateia a importância das eleições em 2018 no quadro político brasileiro, lembrando que o processo já começou.  Ao comentar a liderança do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva nas pesquisas de intenção de voto – 38%, seguido de Marina Silva e Jair Bolsonaro –, aventou a possibilidade de alguns riscos. "Há hoje uma situação bastante indefinida e insegura no Brasil e há um risco imenso de se tentar impedir essa eleição", disse. Na análise dela, podem acontecer três coisas: o impedimento da candidatura de Lula, caso seja condenado por duas vezes; a tentativa de mudar as regras para um sistema parlamentarista, por exemplo, e até mesmo o adiamento das eleições.

Em sua entrevista à televisão suíça RTS, Dilma Rousseff salientou que não sairá candidata a nada, mas continuará fazendo política sempre.

Em Genebra

A ex-presidente Dilma Rousseff chegou em Genebra na sexta-feira (10/03) para participar de uma série de eventos, dentre eles o Festival do Filme e Fórum dos Direitos Humanos (FIFDH) e um encontro com Guy Ryder, diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e uma palestra no Instituto Graduado de Estudos Internacionais e do Desenvolvimento sobre o tema "Defendendo os direitos sociais na América do Sul", na segunda-feira (13/03).

Miguel Bueno / FIFDH

A ex-presidente Dilma Rousseff é saudada por apoiadoras durante sua passagem por Genebra n
o Festival do Filme e Fórum dos Direitos Humanos (FIFDH)

Acompanhada por uma equipe de seis pessoas, dentre eles Marco Aurélio Garcia, ex-assessor especial para assuntos internacionais nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e da própria Dilma Rousseff, a ex-presidente também foi recebida pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e encontrou políticos suíços.

 

Publicado originalmente no site swissinfo.ch



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Milhares participam de Marcha pela Ciência

Protestos contra cortes na área científica propostos pela gestão Trump foram convocados em mais de 500 cidades; em Washington, cerca de 70 mil manifestantes se reúnem em frente à Casa Branca

 

À força, meu querer

Donald Trump e Kim Jong-un combinam guerra ao telefone: 'Duas ogivas de médio alcance. Assim acerta Tóquio, né?' 'Acho que devemos ter mais ousadia. Esse mundo tá muito chato. O Obama nem sabia fazer guerra direito. Coloca mais dois na Coreia, pode ser?'

 

Rafael Braga é condenado a 11 anos de prisão

Único condenado preso no contexto de junho de 2013, Braga estava em regime aberto com uso de tornozeleira quando foi preso por porte de 0,6 g de maconha, 9,3 g de cocaína e um rojão, que lhe foi atribuído pelos policiais que o prenderam

 

Mais Lidas