Aula Pública Opera Mundi: por que há sofrimento e mal-estar na crise política?

Christian Dunker, psicanalista e professor da USP, explica como a falta de expectativa e a ruptura com o futuro fazem os brasileiros sofrerem

Opera Mundi TV

Christian Dunker explica como a crise política produz mal-estar e sofrimento


Mal-estar diz respeito à suspensão do futuro, ou seja, uma incerteza sobre o que irá acontecer. Essa definição é muito importante na produção e no tratamento do sofrimento. A indagação a ser feita é: qual é a projeção do futuro sobre aquilo que me faz sofrer agora

Qual a relação de mal-estar e sofrimento com a crise política que vivemos atualmente no Brasil? Essa é questão que Christian Dunker, psicanalista e professor de Psicologia da USP, responde na Aula Pública Opera Mundi.

"Tivemos momentos em que boa parte da população experimentou uma espécie de suspensão das regras do jogo. Ou seja, golpe, descontinuidade constitucional e ruptura de como estávamos prevendo o futuro. O que acontece quando temos grandes movimentações: primeiro, a gente passa para um novo mundo, portanto deixando uma dívida com o mundo de onde viemos. Segundo, como irei lidar com o que aconteceu comigo? Nosso sofrimento depende de nossos ideais. Quanto maior a expectativa, maior o sofrimento. O que acontece com o Brasil depois de um tempo que passamos a sonhar com o futuro? De uma projeção possível de ascensão, passamos para uma marcha ré. O choque com os nossos ideais e com as nossas esperanças produz um curto-circuito na nossa experiência de sofrimento. Por que aquilo que foi prometido não foi entregue?", questiona Dunker, autor do livro "Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros" (Boitempo, R$76,00

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Christian Dunker: por que há mal-estar e sofrimento na crise política? 


 

PUC-SP recebe Aula Pública sobre 'Conversa de Refugiados', de Bertold Brecht, e debate sobre o futuro das universidades

Aula Pública Opera Mundi: o que o mundo pode esperar dos EUA de Donald Trump?

Aula Pública Opera Mundi: como seria a construção de Brasília se outro projeto tivesse vencido?

 

No segundo bloco, Christian Dunker responde perguntas do público na Universidade Anhembi Morumbi. 




O mal-estar, explica Dunker, depende do fato de que há no mundo gente demais. Ou seja, a causa do sofrimento é um objeto intrusivo, de algo que está a mais na cidade e, portanto, deve ser posto para fora. A crise política brasileira se aproveitou de uma reversão das expectativas de grupos sociais importantes para tentar categorizar quem são os responsáveis. Ou seja, a culpa é dos esquerdopatas, dos corruptos, enfim, das pessoas. E, com isso, mobilizamos afetos — como a culpa, a inveja e ódio — que são pouco (ou nada) produtivos para a transformação da realidade.

"Há uma possibilidade mais simples, que permeia o cotidiano e também a imprensa. Qual é a causa do meu mal-estar? O outro. Existe alguém que está a mais, roubando esse fragmento de felicidade que me pertence. Esse outro precisar ter um rosto. Preciso criar uma materialidade, ou seja, uma posição que preciso criar para justificar porque as coisas não deram certo. Então, assistimos à emergência de inimigos, de pessoas e tipos sociais, que são responsabilizados pelo mal-estar", afirma. 

 

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

China mantém crescimento acima da meta anual

Expansão de 6,8% da segunda maior economia do mundo no terceiro trimestre fica ligeiramente abaixo da alta no restante do ano; presidente afirma que perspectivas são "brilhantes", mas que país enfrenta "sérios desafios"