Palestinos buscam apoio contra planos de Trump sobre Jerusalém

rfi - português do brasil
Segundo imprensa internacional, Donald Trump tem a intenção nos próximos dias de reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Os dirigentes palestinos buscam apoio diplomático na comunidade internacional desde que a imprensa israelense noticiou que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem a intenção de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, nos próximos dias. Ao mesmo tempo, o projeto suscitou a ira do movimento Hamas, que prometeu “uma nova intifada” (rebelião dos palestinos contra Israel) se o republicano levar o plano adiante.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Durante o fim de semana, o presidente palestino Mahmoud Abbas conversou por telefone com diversos líderes estrangeiros, como o francês Emmanuel Macron e o turco Recep Tayyp Erdogan, para “explicar os perigos da decisão de transferir a embaixada americana para Jerusalém ou reconhecer Jerusalém como capital de Israel”, indicou o seu conselheiro diplomático, Majdi al-Khalidi. Abbas advertiu os interlocutores sobre “as consequências” de qualquer decisão nesse sentido, que “ameaçaria o processo político e os esforços pela paz” na região.

Abbas também tentava promover a realização de uma reunião de emergência da Organização da Cooperação Islâmica e da Liga Árabe, para abordar os supostos planos de Trump.

Na noite deste sábado (02/12), o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse a Abbas que é preciso estabelecer um Estado palestino independente com Jerusalém Oriental como capital. "É necessário para garantir a paz e a estabilidade no Oriente Médio", declarou Erdogan, em uma conversa por telefone, segundo fontes presidenciais citadas pela agência turca Anadolu.

Trump compartilha vídeos da extrema-direita britânica e recebe críticas de Londres

Ex-assessor de Trump se declara culpado por mentir ao FBI

Trump retira EUA de pacto da ONU sobre migração

 

Decisão de Trump esperada para segunda-feira

A comunidade internacional nunca reconheceu Jerusalém como capital de Israel, nem a anexação de sua parte oriental conquistada em 1967. As embaixadas estrangeiras estão em Tel Aviv.

Olivier Pacteau/FlickrCC

Abbas passou o final de semana em conversas com líderes da região

Uma lei do Congresso americano aprovada em 1995 determina que a representação diplomática de Washington em Israel fique em Jerusalém. Mas há duas décadas, uma cláusula derrogatória assinada a cada seis meses pelos presidentes americanos permite ao Executivo bloquear a sua aplicação.

Trump deverá assinar ou não esta cláusula na próxima segunda-feira (04/12), segundo o Departamento de Estado, que, na sexta-feira (01/12), afirmou que nenhuma decisão não havia sido tomada a respeito. Durante a campanha eleitoral de 2016, o republicano prometeu transferir a embaixada do país para Jerusalém.

Nova intifada

O movimento islamita palestino Hamas, que controla a Faixa de Gaza, ameaçou neste sábado "reavivar a intifada" se os Estados Unidos irem adiante com o projeto. "Não permitiremos esse complô, alertamos para qualquer decisão neste sentido e convocamos nosso povo a reavivar a intifada se forem tomadas decisões injustas envolvendo Israel", advertiu o Hamas, em um comunicado.

"Jerusalém continuará sendo árabe e palestina, sejam quais forem as decisões tomadas" envolvendo a cidade sagrada, afirmou o movimento palestino, considerado terrorista por Israel, Estados Unidos e União Europeia.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington