Presidente da Polônia sanciona lei para proibir que país seja citado como 'cúmplice' de crimes nazistas

Trechos da medida serão enviados para análise da Corte Constitucional para checar se eles ferem ou não Carta Magna do país; com a nova lei, se referir aos 'campos de morte poloneses' pode gerar três anos de prisão

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O presidente da Polônia, Andrzej Duda, assinou nesta terça-feira (06/02) a lei que proíbe atribuir ao país os crimes cometidos pelos nazistas contra os judeus durante a Segunda Guerra Mundial.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

No entanto, durante um discurso à nação, ele informou que trechos da medida considerados mais polêmicos serão enviados para a análise da Corte Constitucional para checar se eles ferem ou não a Carta Magna do país. Segundos os jornais locais, no entanto, a legislação entrará em vigor e só depois terá o parecer judicial.

Para Duda, apesar da medida ter gerado uma série de críticas internacionais, é necessário que ele "defenda os interesses nacionais" porque "todos sabem que não foram os poloneses quem mataram judeus e criaram os campos de concentração".

Wikicommons

Trechos da medida serão enviados para análise da Corte Constitucional para checar se eles ferem ou não Carta Magna do país

Senado da Polônia aprova lei que impede que país seja citado como 'cúmplice' ou 'coautor' de crimes nazistas

Confissões de um carrasco

Atirador abre fogo contra imigrantes na Itália

 

Com isso, a partir de agora, quem fizer referência à Polônia como cúmplice em relação ao Holocausto pode pegar até três anos de prisão e pagar pesadas multas. A medida inclui até mesmo a referência aos "campos de morte poloneses", já que os maiores campos de concentração criados pelos nazistas estavam em território polonês - como no caso de Auschwitz.

Como reação, a nova lei causou protestos formais, especialmente, de Israel e Estados Unidos - e deve gerar problemas até mesmo financeiros para os poloneses. Por outro lado, Duda estava sendo pressionado internamente para aprovar a medida, que havia passado facilmente pela Câmara Baixa e pelo Senado.

A Polônia é governada desde 2015 pelo partido de extrema-direita Lei e Justiça, que, desde então, vem aumentando sua participação no Parlamento, onde tem maioria. Entre os projetos que o partido tentou aprovar, estavam a proibição do aborto em qualquer caso (rejeitado após série de protestos de mulheres, especialmente em Varsóvia) e a possibilidade de a agremiação no poder controlar o sistema judiciário do país.

(*) Com informações de ANSA

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo