Avião que caiu na Rússia deu dados incorretos de velocidade a pilotos, diz comitê que investiga acidente

Análise preliminar diz que "situação especial" com o AN-148 começou dois minutos e meio a após decolagem, quando o avião voava a 1.300 metros e velocidade entre 465 e 470 km/h

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O Comitê da Aviação Interestadual (IAC) terminou nesta terça-feira (13/02) a decodificação das caixas-pretas do Antonov AN-148 da Saratov Airlines que caiu no último domingo (11/02), na região de Moscou, e deixou 71 mortos. Uma análise preliminar mostrou, segundo a imprensa russa, que a aeronave fornecia aos pilotos dados incorretos sobre a velocidade do voo. De acordo com os especialistas do IAC, esse pode ter sido um dos fatores que levou ao acidente.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A "situação especial" com o AN-148 começou dois minutos e meio a após a decolagem, quando o avião voava a 1.300 metros e velocidade em relação ao solo entre 465 e 470 km/h, aponta a análise preliminar. Neste momento, afirma o comitê, dados incorretos sobre a velocidade começaram a ser informados. Ainda segundo o comitê, citado pela agência russa RT, há a possibilidade de ter havido um congelamento de sondas pitot-estáticas.

"Um fator no desenvolvimento da situação especial no voo poderia ser os dados errados sobre velocidade nos mostradores dos pilotos, o que pode ter sido causado pelo congelamento de tubos pitot (sondas de velocidade) enquanto os sistemas de aquecimento estavam desligados", afirma o comunicado do IAC.

O congelamento de tubos pitot foi um dos fatores que contribuíram para a queda, em 2009, do avião da Air France que fazia a rota entre Rio de Janeiro e Paris e sumiu dos radares enquanto sobrevoava o oceano Atlântico. No total, 228 pessoas morreram no acidente.

Não é possível atribuir a queda do avião (seja o da Saratov, seja o da Air France) só a um eventual congelamento dos tubos pitot, por conta das diversas camadas de segurança que operam na aviação comercial - no solo, no treinamento dos pilotos, na manutenção, no controle de tráfego aéreo, no desenvolvimento dos aparelhos. Acidentes somente acontecem quando diversas dessas camadas falham em sequência.

Trump tentou demitir procurador que investiga suposta interferência russa em eleições, diz jornal

EUA divulgam lista com 210 nomes ligados a Putin que podem sofrer sanções e abrem crise com Rússia

Avião com 71 pessoas a bordo cai nos arredores de Moscou

 

Reprodução

Aeronave AN-148 da Saratov Airlines caiu na Rússia e deixou 71 mortos

As conclusões finais sobre o acidente ainda não têm prazo para serem divulgadas. Só após estes resultados é que será possível dizer o que efetivamente causou a queda do avião, a primeira com vítimas depois de 2017 – considerado o ano mais seguro da história na aviação comercial.

O avião havia saído do aeroporto Domodedovo, em Moscou, e se dirigia para a cidade de Orsk, próxima à fronteira com o Cazaquistão.

(*) Com Sputnik

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Precisamos falar sobre a Globo

Além de discutir a concentração de audiência e de propriedade de mídia no país, entrevista traz bastidores de ex-editora do Jornal Nacional e ex-repórter do jornal O Globo