Opera Mundi participa de encontro sobre italiano morto pela ditadura brasileira

Evento acontece no mesmo dia da audiência do caso que julga generais brasileiros por crimes cometidos durante a Operação Condor

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A correspondente de Opera Mundi na Itália, Janaina Cesar, participa na próxima segunda-feira (19/03) de um debate sobre a morte do italiano Libero Giancarlo Castiglia, assassinado pela ditadura civil-militar brasileira. O encontro ocorre em ocasião do lançamento do livro Joca, il Che dimenticato, escrito pelo jornalista Alfredo Sprovieri. Organizado pela Associação 24 Marzo, o lançamento acontece a partir das 17h30 (hora da Itália, 13h30 em Brasília), na Fundação Lelio Basso, em Roma.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Alfreldo narra com precisão a história de Joca, ou melhor, Libero Castiglia, partindo da Calábria, sua terra de origem, e terminando numa ossada encontrada em uma fossa clandestina no meio da floresta amazônica. Libero emigrou ao Brasil em meados da década de 1950. Trabalhou como metalúrgico no Rio de Janeiro e colaborou com o jornal comunista A Classe Operária. Após o golpe de 1964, quando os militares destituíram o então presidente João Goulart, Castiglia poderia ter voltado para a Itália, mas decidiu lutar. Foi o único estrangeiro a participar da guerrilha do Araguaia nos anos 1970. Entrou para a lista de desaparecidos e seu corpo nunca foi identificado.

Quando encontram a fossa clandestina, um ministro brasileiro viajou até a Calábria para recolher provas de DNA de Elena Gibertini, mãe do guerrilheiro. Entretanto, após aquela visita, o silêncio sobre o caso voltou a imperar e até hoje não se sabe se aquele corpo em que os antropólogos forenses recolheram uma ceroula de lã italiana, roupa não usual na região do Araguaia, é mesmo de Joca.

Reprodução

Evento acontece no mesmo dia da audiência do caso que julga generais brasileiros por crimes cometidos durante a Operação Condor

UE busca isenção das tarifas de Trump sobre aço e alumínio

Bomba da 2ª Guerra é acionada e evacua 23 mil na Itália

Rússia diz que retaliará sanções britânicas

 

Condor brasileiro

Está marcada para às 10h da manhã do mesmo dia, uma audiência do processo Condor brasileiro, que julga o envolvimento de João Osvaldo Leivas Job, Calos Alberto Ponzi e Átila Rohrsetzer, ex-agentes da ditadura brasileira, no assassinato do ítalo-argentino Lorenzo Vinãs Gigli. Militante do grupo Montoneros - que fazia oposição à ditadura argentina - foi sequestrado em Uruguaiana na fronteira do Brasil e a Argentina em 26 de junho de 1980 e, em seguida, desapareceu.

Opera Mundi é o único veículo de comunicação brasileiro a acompanhar o processo. O caso é um desdobramento do grande processo Condor que em janeiro deste ano condenou oito ex-presidentes e militares sul-americanos (e absolveu 19) à prisão perpétua por assassinatos de cidadãos de origem italiana cometidos entre 1973 e 1980.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior