Líder do Parlamento Europeu alerta que Atenas deverá colocar outra moeda no mercado se 'não' vencer

Martin Schulz criticou o que chama de "postura ideológica" do governo grego, que convocou referendo para hoje para decidir rumos do país

Alemão Martin SchulzEm meio ao referendo que acontece neste domingo (05/07) na Grécia para decidir pelo "sim" ou pelo "não" a um acordo com credores nos moldes da austeridade tradicional europeia, o  presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, alertou nesta manhã que Atenas teria de introduzir uma outra moeda se o "não" vencer.

"A Grécia continua no euro depois desse referendo? Este certamente é o caso, mas se eles disseram 'não' eles terão de introduzir uma outra moeda após o referendo, pois o euro não estaria disponível como meio de pagamento", afirmou Schulz à rádio Deutschlandfunk.

O líder europeu ainda criticou o que chama de "postura ideológica" por parte do governo grego, encabeçado pelo partido de esquerda Syriza.

Para o presidente do Legislativo Europeu, os ministros do Syriza adotam uma  postura de "tudo ou nada" em sua negociações com a troika (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia).

Grécia mostra como esquerda no mundo pode enfrentar ajustes fiscais, diz João Felício

Divididos, gregos vão às urnas decidir se aceitam ou não novo ciclo de austeridade nos moldes europeus

Após votar em referendo, Tsipras diz que festa da democracia vencerá medo na Grécia

 


Segundo Schulz, as instituições financeiras já fizeram muitas concessões à Grécia. "A maior parte das exigências gregas tinham sido aceitas", destacou.

Aos seus olhos, o acordo era possível, de modo que não haveria necessidade de um referendo e o povo teria recebido seu dinheiro.

Milhões de gregos foram hoje às urnas decidir entre o “sim” e o “não” a um acordo nos moldes dos credores europeus, após uma breve campanha que foi marcada pela polarização e sob a pressão do fechamento de bancos imposto pelo governo grego no último fim de semana.

Em meio ao controle de capitais, o governo garantiu transportes públicos gratuitos em Atenas, a fim de facilitar a locomoção e não dificultar a situação financeira da população.

EFE

População grega vota hoje, mas está dividida e confusa sobre efeitos de referendo no país

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias