Norte-americanos vão às ruas contra ataque dos EUA que matou general iraniano

'Trump quer a guerra porque ele acredita que isso irá garantir sua reeleição em 2020', afirmaram movimentos sociais que organizaram as marchas

Milhares de norte-americanos foram às ruas dos Estados Unidos neste sábado (04/01) para protestar contra o bombardeio ordenador pelo presidente Donald Trump contra o aeroporto de Bagdá, capital do Iraque, que matou o general iraniano Qassim Soleimani na última quinta-feira (02/01).

Segundo o New York Times, mais de 80 manifestações foram registradas em várias cidades do país, organizadas por movimentos como Act Now to stop War and End Racism (Aja agora para parar a guerra e acabar com o racismo) e o Conde Pink, uma frente anti-guerra liderada por mulheres.

"A não ser que a população dos EUA se levante e a impeça, essa guerra irá tomar a região toda e pode rapidamente se transformar em um conflito global", dissera, as organizações em comunicado conjunto.


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI


Em Washington, capital norte-americana, mais de mil pessoas marcharam carregando cartazes com mensagens contra Trump e contra a guerra. Em Nova York, os manifestantes se concentraram na Times Square, gritando palavras de ordem como "U.S. out of the Middle East" (EUA fora do Oriente Médio).

Reprodução
'Trump quer a guerra porque ele acredita que isso irá garantir sua reeleição em 2020', afirmaram movimentos sociais

Em Chicago, centenas de manifestantes protestaram em frete ao prédio da Trump Tower com cartazes que pediam o fim do bombardeio sobre o Iraque. Já na Filadélfia, protestos foram registrados em frente à prefeitura.

Outras grandes cidades como Seattle, São Francisco, Albuquerque, Memphis, Miami e Saint Louis também receberam manifestações.

"Eles querem uma guerra contra o Irã - um país com mais de 80 milhões de habitantes. Trump quer a guerra porque ele acredita que isso irá garantir sua reeleição em 2020. Todos aqueles que acreditam na paz, que se opõem a outra guerra catastrófica, é hora de agir", disseram os coletivos.

Comentários