Augusto Nunes agride Glenn Greenwald ao vivo em programa

Greenwald chamou Nunes de covarde por ter falado que 'um juiz de menores deveria investigar nossos filhos e decidir se nós deveríamos perder nossos filhos'

O jornalista Augusto Nunes agrediu nesta quinta-feira (07/11) o editor cofundador e colunista do Intercept, Glenn Greenwald, quando os dois participavam do programa Pânico, na rádio Jovem Pan.

O episódio ocorreu após o jornalista norte-americano chamar Nunes de covarde por ter falado que "um juiz de menores deveria investigar nossos filhos e decidir se nós deveríamos perder nossos filhos".

"Eu quero saber se você acredita que um juiz de menores deveria investigar nossa família com possibilidade de tirar nossos filhos de nossa casa, sem pai nem mão, sem família nenhuma", disse Greenwald.


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI 


Reprodução
Glenn Greenwald e Augusto Nunes discutem ao vivo no programa Pânico

Nunes rebateu as declarações de Greenwald de que ele não sabe "identificar ironias, não sabe identificar um ataque bem-humorado". E afirmou que "disse apenas que o companheiro dele passa tempo em Brasília, passa tempo todo lidando com material roubado. Quem vai cuidar dos filhos?".

Após a declaração de Nunes, Greenwald o chamou de covarde, mas foi interceptado por Nunes, que tentou agredi-lo. Os dois se levantam e Nunes bate em Greenwald no rosto.

O programa foi suspenso por cerca de 12 minutos. Quando voltou, somente Greenwald ainda estava participando do programa.

Greenwald afirmou, ao chegar para participar do Pânico, não sabia que Nunes também estaria presente. Pelo Twitter, disse que estava "feliz", pois havia muitas perguntas para fazer ao jornalista brasileiro.

Mais tarde, Greenwald disse em vídeo no Twitter que Nunes havia feito comentários sobre a família do jornalista. Ainda no relato, o jornalista norte-americano comentou sobre a repercussão do episódio e que o "movimento Bolsonaro, Olavo [de Carvalho] e PSL estão aplaudindo e apoiando o uso de força física e violência no debate político".

Comentários

Leia Também