Aula Pública Opera Mundi: por que precisamos analisar a ditadura militar na perspectiva de gênero?

No novo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Amelinha Teles analisa a atuação de mulheres durante anos de chumbo

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

No nono episódio da quarta temporada da Aula Pública, Amelinha Teles analisa a atuação de mulheres durante a ditadura. A ativista social explica como a violência e a barbárie contra mulheres foi estruturada pelo regime militar nos anos de chumbo.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"O ódio às mulheres era muito grande na ditadura. Os agentes do Estado acreditavam que elas queriam superar os homens. Para eles, as mulheres estavam pegando em armas para tomar o poder dos homens. Então, as militantes eram promíscuas e atentavam contra a moral e os bons costumes. Por isso, os militares tentavam fortalecer o estereótipo da mulher filha, esposa, amante. A mulher que fosse livre e que decidisse ir para a luta, inclusive a armada, era odiada pelos homens", explica Amelinha Teles.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Amelinha Teles: por que precisamos analisar a ditadura militar na perspectiva de gênero?


Na Aula Pública, Amelinha Teles também explica como as mulheres romperam com esteriótipos e foram protagonistas da resistência ao regime de exceção.

"Na ditadura militar, as mulheres lutaram e batalharam, coordenaram aparelhos, fizeram imprensa clandestina, fizeram guerrilha e atiraram, muitas vezes, melhor do que os homens. Isso é pouco conhecido. Quando falamos em ditadura e resistência, sempre falamos sobre homens, sindicalistas, mas pouco se fala das mulheres e todo o esteriótipo que elas romperam naqueles anos", afirma.

Aula Pública com Janaína Teles: como e por que a Argentina enfrentou os crimes da ditadura militar

Aula Pública com Camila Dias: prisões brasileiras são espaço de exceção, arbitrariedade e violência, diz especialista

Aula Pública com Lidiane Rodrigues: o que trajetória de Dilma Rousseff ensina sobre gênero e política no Brasil?

 

Para Amelinha, é necessário entender as diferenças da tortura entre homens e mulheres. Pela atuação protagônica, mulheres sofreram com violência sexual e ataques aos filhos e à familia.

"Os militares cometeram crimes sexuais. São atos de lesa-humanidade. Todas as novas diferenças foram usadas pelos militares na hora da tortura. A gravidez foi uma motivação para os agentes do Estado torturassem mulheres. Tivemos crianças que foram torturadas antes de nascer. A amamentação e menstruação foram usadas como tortura. Com chutes na barriga e choques elétricos, tivemos também abortamentos forçados", relata Amelinha, que foi torturada no regime militar.

Na segunda parte da Aula Pública, Amelinha Teles responde perguntas do público na Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo

Opera Mundi TV

Amelinha Teles explica como a violência contra as mulheres foi estruturada pelo regime militar

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias