Bomba da Segunda Guerra causa retirada de 54 mil pessoas

Deutsche Welle
Operação em Augsburg, na Alemanha, para desativação de bomba da Segunda Guerra é a maior do gênero desde 1945; artefato, de quase duas toneladas, foi descoberto por acaso durante obras

Cerca de 54 mil pessoas foram retiradas neste domingo (25/12) de Augsburg, no sudoeste da Alemanha, para a desativação de uma bomba de 1,8 toneladas da Segunda Guerra Mundial, na maior operação do gênero desde 1945.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As forças de segurança deram prazo até as 10h locais para que fosse abandonada a zona de perigo, incluindo o centro da cidade e vários edifícios emblemáticos, como a catedral.

Os trabalhos de desativação da bomba começaram ao meio-dia (hora local) e foram agendados para durar quatro horas. A operação conta com o apoio de 900 polícias e centenas de bombeiros.

Agência Efe

Agentes posicionam barreiras de isolamento em Augsburg, no sudoeste da Alemanha, para desativação de bomba da Segunda Guerra Mundial

Trump repudia apoiadores que fizeram saudação nazista

Bairro de Berlim é evacuado por bomba da Segunda Guerra

EUA e Canadá proíbem novas explorações de petróleo no Ártico

 

A bomba, lançada por militares britânicos, foi descoberta por acaso na quarta-feira durante obras, uma situação que não é inusitada no país, onde 70 anos após o fim da guerra continuam a ser encontradas bombas ainda não detonadas, vestígios dos bombardeios aliados contra a Alemanha nazista.

As autoridades da cidade, com 287 mil habitantes, decidiram que a operação causaria menos transtornos neste domingo do que em um dia da semana.

Foram disponibilizadas escolas e outras instalações para acolher aqueles que não podem ficar com familiares ou amigos. A prefeitura montou seis abrigos de emergência. No maior deles, no centro de convenções da cidade, foram preparadas barracas para abrigar cerca de mil pessoas. Entretanto, somente cerca de 200 recorreram às instalações.

MD/lusa/dpa



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas