O que eles não querem que você saiba sobre o 8 de março: a origem socialista do Dia das Mulheres

Não mais flores. Não mais presentes! Urge a reconquista da data como marco da luta por mais direitos e fim da discriminação feminina

Flores. Bombons. Promoções em lojas de cosméticos. Publicidade exaltando qualidades consideradas femininas. O capitalismo se apropriou do 8 de março e o converteu em mais um dia de apostas consumistas. Pipocam pelas redes sociais mensagens com “parabéns” e felicitações por você, mulher, ser tão linda, maravilhosa e — frágil.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Nos meios de comunicação, diversas reportagens ressaltam a violência que ainda é praticada contra pessoas do sexo feminino por estas serem simplesmente mulher: mais uma demonstração de fragilidade e necessidade de proteção.

Esqueça isso. Não é sobre isso que se trata o 8 de março!

Flickr/CC/Romerito Pontes

Comemoração do Dia Internacional da Mulher em São Paulo (2015)

A versão consolidada sobre a origem da comemoração internacional da data reforça, em certa medida, o estereótipo desse lugar em que precisamos ser tutoreadas para que deixemos de ser vítimas do machismo e misoginia que hoje matam uma mulher a cada 90 minutos no Brasil. Vamos ao mito:

A história que eu e provavelmente você aprendemos na escola diz que no dia 8 de março de 1857, em Nova York, 129 tecelãs cruzaram os braços e paralisaram os trabalhos pelo direito a uma jornada de 10 horas (porque elas chegavam a trabalhar de 12 a 14 horas). Para reprimir a mobilização, os patrões teriam trancado as portas da fábrica e ateado fogo no local. Asfixiadas, todas teriam morrido carbonizadas.

Acontece que tal incêndio e greve nunca ocorreram. Já há extensa bibliografia contestando o episódio. Tal mito teria surgido do cruzamento de vários fatos, entre eles um incêndio real ocorrido na Companhia de Blusas Triangle, em 1911, também em Nova York, no qual 146 pessoas morreram, sendo 125 mulheres e 21 homens, de maioria judia. Outro fato que remonta à data é a grande greve das costureiras, que durou de 22 de novembro de 1909 a 15 de fevereiro de 1910.

Como a proposta de se comemorar o Dia Internacional da Mulher surgiu durante a 2ª Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, realizada em 1910, na Dinamarca, fica evidente que tal episódio não pode ter sido motivado pelo incêndio da Triangle (o único real) e sim das muitas lutas que as mulheres já travavam, sobressaindo-se o direito ao voto feminino. Além disso, inicialmente não havia sido definido um dia específico para essa celebração, tanto que cada país se organizou de forma diferente e as primeiras comemorações ocorreram, em sua maioria, no último domingo de fevereiro.

Outro evento fundamental desse período foi nada mais nada menos que a Revolução de Fevereiro, ou Revolução Russa.

Em, 1917, em meio à Primeira Guerra Mundial, as mulheres socialistas decidiram comemorar o Dia da Mulher em 23 de fevereiro — pelo calendário russo. No calendário gregoriano, no entanto, a data corresponde exatamente a 8 de março. Neste dia, as tecelãs e costureiras de São Petersburgo decidem iniciar uma greve, indo contra a decisão do Partido Comunista, que considerava aquele momento inapropriado para uma ação deste tipo.

Flickr/CC/Maria Objetiva

Manifestação pelos direitos das mulheres, por leis mais justas e contra a moralidade religiosa, em Belo Horizonte - MG (2013)

Pedindo pão e paz, as mulheres iniciaram a paralisação e diversos operários se uniram a ela. O episódio é considerado o estopim da Revolução Russa. Sobre o ocorrido, a escritora e líder revolucionária russa Alexandra Kollontai escreveu: “O dia das operárias, 8 de Março, foi uma data memorável na história. Nesse dia as mulheres russas levantaram a tocha da revolução”.

Fixação da data

A ideia de ter um dia da mulher surge nos Estados Unidos em 1908. A primeira celebração ocorre em 3 de maio e, por sugestão das norte-americanas, na segunda Conferência Internacional da Mulher Socialista, em 1910, é definido que as mulheres socialistas organizariam em seus paises de origem um dia das mulheres específico.

Em 1911, durante a primeira celebração do Dia das Mulheres Socialistas, Kollontai propõe que a celebração do dia seja realizado em 19 de março para homenagear um levante das mulheres proletárias da Prússia, no qual elas conseguiram a promessa, depois não cumprida pelo rei, de obter direito de votar.

O primeiro local onde a data foi celebrada em 8 de março foi na Alemanha, em 1914, e não há registro das motivações para a escolha.

Quatro anos depois, em Moscou, Kollontai lidera, em 8 de março, as comemorações pelo Dia Internacional da Mulher e consagra a data em lembrança à greve do ano anterior, em São Petersburgo. Em 1921, durante a Conferência das Mulheres Comunistas, a 3ª Internacional resolve adotar o dia 8 de março para celebrar a luta das mulheres.  

Mais de 40 países se unem para criar fundo internacional de aborto seguro

O significado da greve das mulheres neste 8 de março

Por que paramos: Opera Mundi participa da greve internacional de mulheres no dia 8 de março

 

Porém, com a efervescência política que atingiu o mundo após os anos 1920, a data entrou no esquecimento, sendo retomada apenas com o movimento feminista dos anos 1950/60 e se consolida, já com o mito das mulheres queimadas de 1857, com as resoluções da ONU e da Unesco em 1975 e 1977, respectivamente.

Tá, mas e o título do artigo?

Sem entrar no mérito da discussão — essencial —, me incomoda que o dia da Mulher seja reduzido (quando não tratado como relatei no começo deste texto) ao dia em que a mídia lembra que existe a Lei Maria da Penha e a relatos de como a violência machista nos afeta, nos mata. Isso coloca a mulher justamente no lugar de cuidado, de fragilidade, de vítima.

Voltando: o 8 de março não é sobre isso. Ou melhor, o 8 de março não é somente sobre isso.

Quando se apaga a origem extremamente combativa de todas as lutas das mulheres no fim do século 19 e começo do 20, fosse pelo direito ao voto, a jornadas de trabalho menores ou a salários iguais aos dos homens, e se opta pela história das mulheres queimadas, reforçamos o estereótipo de que precisamos ser homenageadas, como que em memória daquelas que morreram naquela fábrica.

Elas não morreram, mas muitas outras sim. Morreram e seguirão morrendo por diversos motivos ligados à violência machista. Mas, tão importante quanto isso é que outras tantas lutaram, lutam e seguirão lutando. É disso que se trata o 8 de março.

A história do Dia das Mulheres é uma história de luta. Ele foi pensado por mulheres socialistas para ser um marco das lutas por conquistas, por direitos, por melhores condições. Foi criado por mulheres à revelia dos homens comunistas que consideravam que o direito ao voto feminino, a jornadas de trabalho reduzidas ou a salários iguais eram divisionismo e tirava o foco da causa que realmente importava: a construção do socialismo e a formação da consciência de classe.

Por isso tudo dizemos: Não mais flores! Não mais presentes! Não mais “parabéns”. Aliás, parabéns por quê?

Meu direito ao voto, meu direito a estudar e exercer uma profissão, meu direito de receber salário igual aos homens veio do sangue e suor das mulheres que me antecederam. E ainda faltam muitas coisas, muitas conquistas que nós queremos deixar para as gerações que vão nos suceder: o direito a um aborto legal e assistido; a creches; a divisão das tarefas domésticas; equiparação salarial (que ainda não é uma realidade); fim da cultura do estupro e nós, mulheres negras, temos ainda outras temáticas com que nos ocupar, como o fim do genocídio da população negra que vitima diariamente nossos filhos, irmãos, primos e amigos nas periferias; uma saúde pública que contemple nossas especificidades e o fim de uma cultura racista que nos oprime, nos deprime e nos isola.

Bibliografia:

BLAY, A. Eva. 8 de Março: Conquistas e controvérsias. São Paulo, 1999.

GIANOTTI, Claudia Santiago e GIANOTTI, Vito. A origem socialista do Dia da Mulher. Rio de Janeiro, 8. Edição, 2016.

Filme

SHE is Beautiful when She is Angry. Direção: Mary Dore. Nova York - EUA, 2014. 1h 32m.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias