Líder da Escócia vai pedir novo referendo para deixar Reino Unido

Deutsche Welle
Nicola Sturgeon diz que vai pedir ao Parlamento escocês para que inicie processo de nova votação sobre independência; Reino Unido afirma que decisão é divisória e causaria incerteza num momento difícil

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, anunciou nesta segunda-feira (13/03) que vai pedir ao Parlamento escocês para que inicie o processo de um novo referendo sobre a independência do país do Reino Unido.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O pedido, que deve ser apresentado na próxima semana, prevê que a consulta popular ocorra entre o fim de 2018 e o início de 2019, antes do prazo previsto para a conclusão do Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia).

Para ser realizado, o referendo precisa de autorização do governo britânico, que considerou a convocação de um segundo referendo como um processo "divisório" e que "causaria uma enorme incerteza no pior momento".

"Na próxima semana, vou pedir ao Parlamento escocês que me autorize a chegar a um acordo com o governo britânico para lançar o procedimento que permitirá ao Parlamento escocês legislar sobre um referendo de independência", afirmou em declaração na sua residência oficial, em Edimburgo. "Acho correto a Escócia poder escolher."

Agência Efe

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, anunciou nesta segunda-feira (13/03) que vai pedir ao Parlamento que realize novo referendo para independência do Reino Unido

Os escoceses recusaram a independência do Reino Unido num referendo realizado em 2014, mas Sturgeon argumenta que a decisão pelo Brexit gerou uma "alteração substancial das circunstâncias".

Oficial que liderou operação que matou Jean Charles é promovida a chefe da Polícia Metropolitana de Londres

Restos mortais de crianças são encontrados em convento na Irlanda após denúncia de morte de 800 menores

Turquia volta a desafiar países da UE

 

Em junho do ano passado, 52% dos britânicos votaram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia, mas, na Escócia, 62% dos eleitores votaram pela permanência no bloco.

Desentendimentos

Segundo Sturgeon, que é líder do Partido Nacional Escocês (SNP), o Reino Unido deixou o bloco europeu contra a vontade dos escoceses, por isso é preciso dar uma nova chance aos eleitores.

Ela também criticou a primeira-ministra britânica, Theresa May, por "intransigência" nas conversações com os países que, junto com a Inglaterra, formam o Reino Unido: Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. A primeira-ministra acrescentou que a Escócia busca um acordo com o governo britânico para que o país permaneça no mercado comum europeu, mas disse não estar otimista em relação ao diálogo com May.

Sturgeon fez as declarações às vésperas de May enviar a Bruxelas a carta invocando o Artigo 50 do Tratado Europeu de Lisboa, que inicia o processo de saída da UE. May precisa de um sinal verde da Câmara dos Comuns, que analisa nesta segunda-feira o projeto de lei sobre o Brexit. Se aprovado, o projeto seguirá para a Câmara dos Lordes para votação final.

KG/ap/rtr

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias