Abacate passa petróleo e é produto mais lucrativo do México

Em 2016, o México exportou mais de um milhão de toneladas de abacate para 31 países e os EUA foi o destino de 770 mil toneladas, 14% a mais que em 2015. Exportações estabeleceram marca histórica e geraram superávit de US$ 2,2 bilhões

Atualizada às 10:35 de 14/03/2017

O abacate está se convertendo no novo "ouro" do México, ultrapassando o petróleo como produto de exportação que mais gera lucros para o país, de acordo com os números mais recentes divulgados pelo Ministério da Economia do Estado.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

No entanto, ecologistas se queixam que o crescimento na demanda do fruto, abundante em vitamina E, está causando um grande estrago ao meio-ambiente mexicano. A polpa do fruto costuma ser usada como acompanhamento dos principais "snacks" dos norte-americanos em competições esportivas, como o Super Bowl.

Durante os intervalos da partida, aliás, grandes companhias e produtoras da fruta difundem anúncios publicitários. No dia 5 de fevereiro, por exemplo, o custo de uma propaganda de apenas 30 segundos no estádio, que foi vista por 130 milhões de espectadores, chegou a US$ 5 milhões.

Kjokkenutstyr.Net / Flickr CC

Abacates já são principal produto de exportação do México

A Associação de Produtores e Empacotadores de Abacate do México (Apeam) é a encarregada de financiar essa mensagem, que é transmitida pela emissora de televisão Fox e na qual são exaltados os benefícios do abacate mexicano.

Estima-se que cerca de 100 mil toneladas do popular molho guacamole, que é feito com a fruta, são consumidas apenas durante esse jogo de futebol americano.

A maioria do abacate que se consume nos Estados Unidos é produzido nos campos do estado de Michoacán, o que é criticado por ecologistas, que acreditam que o "boom" da produção do fruto no país está causando danos à ecologia, já que muitas terras florestais estão sendo dizimadas para ampliar os campos de abacate, mais rentáveis.

No ano passado, o México exportou mais de um milhão de toneladas de abacate para 31 países e os Estados Unidos foi o destino de 770 mil toneladas, 14% a mais que em 2015. O superávit dessas exportações, que estabeleceram uma marca histórica, foi de US$ 2,2 bilhões, segundo o Ministério de Economia.

Assista abaixo o comercial de abacates do México que foi ao ar no intervalo do Super Bowl no último dia 5 de fevereiro:

Reforma da Previdência proposta por Temer ignora os R$ 400 bi que grandes empresas devem ao INSS

Brasileiros tomam milho transgênico quando bebem cerveja, diz pesquisa

Inflação sobe 2,5% na Argentina em fevereiro; em 12 meses, índice atinge 25,4%

 

Em Michoacán, produtores do alimento dizem que a revisão do Tratado de Livre Comércio da América do Norte pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, poderá encarecer o abacate e reduzir o consumo.

Mesmo assim, especialistas estimam que as exportações manteriam o mesmo nível devido à grande demanda dos norte-americanos e os produtores afirmam que poderiam sobreviver com suas vendas à Europa, principalmente à Holanda e à Alemanha, e à Ásia, sobretudo Japão e China, grande consumidor de abacate.

Em diferença ao petróleo, do qual o México também tem ampla competência, no caso do abacate a produção nacional é responsável por quase um terço de todo o consumo mundial, mesmo que haja, atualmente, 60 nações que produzem a fruta.

O mexicano costuma ser o preferido para a maioria do planeta por serem produzidas no país as três das variedades mais conhecidas e consideradas deliciosas do alimento: o hass, o criollo e o fuerte.

Os principais produtores de abacate no mundo são México, República Dominicana, Colômbia e Peru. Mesmo assim, a produção no México supera quase quatro vezes as exportações do segundo maior exportador em nível mundial, o país da América Central.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas