'Mãe de todas as bombas' dos EUA matou ao menos 90 membros do Estado Islâmico, diz Afeganistão

Segundo o Ministério da Defesa do Afeganistão, não houve vítimas civis; comando norte-americano no país defendeu ação, dizendo que superbomba era "arma adequada" para situação

Pelo menos 90 membros do Estado Islâmico (EI) morreram após o ataque no qual os Estados Unidos utilizaram a bomba GBU-43, o projétil não nuclear mais potente do arsenal norte-americano, afirmou nesta sexta-feira (14/04) o Ministério da Defesa do Afeganistão. O Pentágono divulgou um vídeo que mostra a ação.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o órgão, a “mãe de todas as bombas” também destruiu uma importante instalação do grupo terrorista. De acordo com Cabul, o grupo terrorista usava o esconderijo "para coordenar seus ataques terroristas em diferentes partes da província", na fronteira com Paquistão.

Por sua vez, o general John W. Nicholson, comandante das tropas dos Estados Unidos no Afeganistão, defendeu nesta sexta o uso da GBU-43 e disse que ela era a “arma adequada”. Em uma entrevista coletiva em Cabul, o militar afirmou que as instalações que teriam sido destruídas eram um “grande obstáculo”, e a ação foi feita “no momento correto”.

Segundo o ministério afegão, não houve vítimas civis. O porta-voz do órgão, Dawlat Waziri, afirmou que só uma família vivia nos arredores do lugar do bombardeio e que ela tinha sido evacuada ontem, poucas horas antes da ação militar.

Agência Efe

Bomba GBU-43, a mais potente não nuclear no arsenal dos EUA, foi usada no Afeganistão

Ataque suicida deixa ao menos 5 mortos no Palácio Presidencial do Afeganistão; EI reivindica autoria

Rússia veta na ONU resolução sobre Síria apresentada por EUA, Reino Unido e França

EUA lançam no Afeganistão, pela primeira vez em um conflito, 'mãe de todas as bombas'

 

Waziri disse também que que alguns dos túneis, construídos pelos mujahedins durante a época da invasão soviética no Afeganistão, encontravam-se a 40 metros de profundidade, motivo pelo qual a força aérea afegã não podia destrui-los.

O bombardeio com a GBU-43, um projétil de dez toneladas que mata com uma onda de pressão aérea, foi executado nesta quinta (13/04) às 19h32 (horário local, 12h02 em Brasília), no distrito de Achin, na província oriental de Nangarhar, com a aprovação do presidente norte-americano, Donald Trump.

Vídeo

O Pentágono divulgou nesta sexta o vídeo do momento em que a superbomba impacta contra o sistema de cavernas no Afeganistão.

As imagens aéreas mostram o momento em que a "mãe de todas as bombas" cai na ladeira de uma montanha do distrito de Achin, na província de Nangarhar, com uma potência equivalente a 11 toneladas de TNT.

Uma imensa coluna de fumaça e escombros aparece após a explosão, o que neste tipo de explosivos acontece antes de tocar a terra para criar uma potente onda expansiva capaz de derrubar túneis e bunkers ao gerar um pequeno terremoto.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas