1945: Testada a primeira bomba atômica

Deutsche Welle
Em 16 de julho de 1945, houve a primeira explosão de uma bomba nuclear; ela aconteceu no âmbito de um projeto secreto dos EUA chamado Manhattan e desenvolvido na área de testes de Trinity, em Los Alamos, no Novo México
Durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos criaram um programa nuclear altamente secreto, dirigido pelo cientista Robert Oppenheimer. O objetivo era produzir a primeira bomba atômica.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi
 
A fissão nuclear havia sido descoberta em 10 de dezembro de 1938 pelos alemães Otto Hahn, Fritz Strassmann e Lise Meitner. O italiano Enrico Fermi foi uma das pessoas mais importantes no desenvolvimento teórico e experimental da bomba nuclear. Como sua esposa era judia, resolveu emigrar para os Estados Unidos para escapar das leis racistas impostas na Itália fascista de Benito Mussolini.
 
Fermi recebeu o Prêmio Nobel em 1938 por seu estudo da radioatividade artificial. Bombardeando urânio com nêutrons, ele criara novos elementos mais pesados. Fermi havia descoberto que, quando se colocava uma placa de parafina entre a fonte de nêutrons e o urânio, aumentava a radioatividade, pois crescia a chance de o nêutron ser absorvido pelo núcleo de urânio.
 

Coleção de objetos nazistas é encontrada em esconderijo na Argentina

Temer é sinônimo de traição e Trump 'bate recorde de estupidez', diz Correa

Coreia do Norte diz que envio de 2 bombardeiros dos EUA à península é 'provocação'

 
picture alliance/Everett Collection

Foto tomada 0,25 segundo após detonação inicial da primeira bomba nuclear


Em 1939, os físicos já sabiam que a "água pesada" agia como redutor de velocidade dos nêutrons, como a parafina. A água normal (leve) consiste de dois átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio. Na água pesada, dois isótopos de hidrogênio (deutério) se unem ao oxigênio. Água pesada é ainda hoje usada como moderador em reatores nucleares de urânio natural.
 
Bomba equivaleu a 18,6 mil toneladas de TNT
 
Em 1939, o húngaro Leo Szilard convenceu Albert Einstein, com quem havia trabalhado em 1919 em Berlim, a relatar ao presidente norte-americano Franklin Delano Roosevelt as pesquisas de armas atômicas feitas pelos alemães. Em consequência, foi criado o ultrassecreto programa Manhattan.
 
Deste projeto resultaria a primeira explosão de uma bomba nuclear na história, a 16 de julho de 1945, no Los Alamos National Laboratory, no Novo México. Essa bomba era composta de duas pequenas bolas de plutônio recobertas por níquel e em cujo centro havia um núcleo de berílio e urânio. Para acionar a bomba, havia explosivos e 32 detonadores. A primeira bomba atômica teve uma potência de 18,6 quilotons (um quiloton equivale a mil toneladas de TNT).
 
Uma torre de 30 metros de altura evaporou-se com a explosão, que abriu ainda uma cratera de 400 metros de diâmetro. Nas semanas seguintes, seguiram-se as construções das bombas Little Boy e Fat Man, que seriam jogadas contra Hiroshima e Nagasaki em 6 e 9 de agosto de 1945.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Deputados barram lei de aborto aprovada pelo Senado no Chile

Projeto que autoriza aborto nos casos de risco de vida para a gestante, estupro ou má formação do feto vai a comissão mista para ser reavaliado; Michelle Bachelet criticou oposição por votar por 'ideologia ou religião' contra a lei

 

Notas sobre Marco Aurélio Garcia, um grande camarada

MAG combinou interesses econômicos e políticos com uma visão anti-hegemônica clara e firmou-se como leme de uma diplomacia que tinha o desenvolvimento e a construção de novas parcerias Sul-Sul como meta