Em carta a Maduro, Raúl reafirma apoio cubano à Venezuela: 'cada golpe fortalece a unidade'

Assembleia Constituinte 'representa uma valiosa lição, que faz da Venezuela um símbolo para nosso continente', escreve Raúl; cubanos estarão sempre 'na primeira fileira da solidariedade militante' junto aos venezuelanos

O presidente de Cuba, Raúl Castro, escreveu a seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, reiterando o apoio cubano ao governo venezuelano e à Assembleia Nacional Constituinte, instalada em Caracas na última sexta-feira (04/04).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Na carta, datada do último domingo (06/08) e divulgada pelo site Cubadebate nesta quarta-feira (09/08), Raúl diz que recebeu as notícias da eleição e da instalação da Constituinte na Venezuela “com imenso júbilo revolucionário”.

“Sem dúvidas este processo representa uma valiosa lição, que faz da Venezuela um símbolo para nosso continente, como afirmara Fidel com sua meridiana claridade”, escreve o presidente cubano.

Raúl fez referência a ações da oposição ao governo e à Constituinte, afirmando que “a experiência demonstra que cada ato de terror levanta a moral do povo, cada agressão o faz mais forte, cada golpe fortalece a unidade”.

“Virão dias de forte luta, de cerco internacional, de bloqueios, de limitações”, escreve Raúl, “mas também serão dias de criação e trabalho para os revolucionários e todo o povo venezuelano que, como até hoje, não estará sozinho e nos terá, os cubanos, na primeira fileira da solidariedade militante”, diz o presidente.

Agência Efe / Arquivo

Em março de 2016, Raúl Castro, presidente cubano, condecorou Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, com a Ordem José Martí

Venezuela é 'elo estratégico' em tentativa dos EUA de recolonizar América Latina, diz Evo Morales

Maradona expressa apoio a Maduro e se diz pronto 'para lutar contra o imperialismo' na Venezuela

Venezuela critica 'uso político' de órgão de direitos humanos da ONU

 

Leia a seguir a íntegra da carta de Raúl Castro a Nicolás Maduro:

Havana, 6 de agosto de 2017

“Ano 59 da Revolução”

Nicolás Maduro Moros

Presidente da República Bolivariana da Venezuela

Querido Nicolás:

Com imenso júbilo revolucionário soube dos resultados da eleição e da instalação da Assembleia Nacional Constituinte. Sem dúvidas, este processo representa uma valiosa lição, que faz da Venezuela um símbolo para nosso continente, como afirmara Fidel com sua meridiana claridade. A demonstração de apoio popular foi clara e forte, fiel ao legado do Libertador Simón Bolívar e do presidente Hugo Chávez Frias.

A experiência demonstra que cada ato de terror levanta o moral do povo, cada agressão o faz mais forte, cada golpe fortalece a unidade.

Certamente, virão dias de forte luta, de cerco internacional, de bloqueios, de limitações; mas também serão dias de criação e trabalho para os revolucionários e todo o povo venezuelano que, como até hoje, não estará sozinho e nos terá, os cubanos, na primeira fileira da solidariedade militante e mais comprometida com sua causa.

Um forte abraço,

Raúl Castro Ruz

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica