Assembleia Constituinte da Venezuela decide assumir parte das funções do Poder Legislativo

Assembleia Nacional não está ou será dissolvida; presidente da ANC, Delcy Rodríguez, disse que pretende regulamentar com urgência convivência entre os dois poderes

A Assembleia Nacional Constituinte (ANC) da Venezuela decidiu nesta sexta-feira (18/08) assumir parte das funções da Assembleia Nacional, o Poder Legislativo do país. A partir de agora, são os constituintes que irão ditar leis sobre matérias socioeconômicas e financeiras. O objetivo é “garantir a preservação da paz e a soberania”.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Por meio de decreto, a ANC aprovou "assumir as competências para legislar sobre as matérias voltadas diretamente a garantir a preservação da paz, a soberania, o sistema socioeconômico e financeiro, os fins do Estado e a proeminência dos direitos dos venezuelanos, assim como para ditar atos parlamentares em forma de lei vinculados às referidas matérias, conforme o mandato do artigo 349 da Constituição Nacional e as normas para garantir o pleno funcionamento institucional da ANC, em concordância com a declaração de supraconstitucionalidade das decisões da ANC em sentença do Poder Judicial do ano de 1999”.

A Assembleia Nacional não está ou será dissolvida.  A decisão foi anunciada após o conselho do Parlamento venezuelano não comparecer à reunião convocada pela ANC nesta sexta, um órgão que os opositores consideram “ilegítimo” e encaram como um instrumento do governo do presidente Nicolás Maduro para supostamente consolidar uma “ditadura” no país.

Ministro de Relações Exteriores da Rússia diz que é 'inaceitável' ameaça militar de Trump contra Venezuela

Comissão da Verdade venezuelana abre investigação sobre violência em protestos no país

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

 

Agência Efe

ANC vai assumir parte das funções do Poder Legislativo da Venezuela

Segundo o jornal El Universal, a presidente da ANC, Delcy Rodríguez, propôs aos membros da Assembleia uma moção de urgência para um decreto que regularia as relações entre o parlamento e os constituintes.

“Não é uma convivência para ‘mimar’ a ‘direita venezuelana’. É uma convivência para ensiná-los de uma vez que o povo da Venezuela manda na Venezuela e que se deve respeitar a vontade do povo venezuelano”, disse.

“Não vamos permitir que, desde esse parlamento constituído, puntofijista [em referência ao pacto feito por partidos políticos na década de 50 após a morte do então ditador Marcos Pérez Jiménez] se comprometa o futuro da Venezuela. Não vamos permitir mais distorções e desvios de poder para atentar contra o Estado de direito venezuelano. Chegou a Constituinte para colocar ordem, para trazer benefícios para o povo da Venezuela e felicidade a nosso país”, completou Rodríguez.

O Parlamento é o único dos cinco poderes reconhecidos na Constituição da Venezuela que ainda não se subordinou à Constituinte, como fizeram o próprio presidente Nicolás Maduro e os titulares do Judiciário, do Eleitoral e do Cidadão. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias