Relembre como foi o sequestro do publicitário Washington Olivetto

Operação teve ares espetaculares: a rotina do publicitário foi acompanhada por dez meses antes da ação, o que permitiu aos autores saberem como ele circulava pela cidade; no dia marcado, sequestradores montaram uma falsa blitz

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Em 2001, o publicitário Washington Olivetto foi levado a local desconhecido ao sair de sua agência em Higienópolis, zona central de São Paulo. Durante 53 dias, ele ficou isolado em uma casa na zona sul da cidade, no bairro do Brooklin.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A operação teve ares espetaculares: a rotina de Olivetto foi acompanhada por dez meses antes da ação, o que permitiu aos autores saberem como ele circulava pela cidade. No dia marcado para a operação – 11 de dezembro – os sequestradores montaram uma falsa blitz, pararam o veículo dirigido pelo motorista do publicitário e o levaram, encapuzado, para o cativeiro, um cubículo de 3 metros por 1.

O contato com a família era feita por meio de entregadores. No dia seguinte ao sequestro, um buquê foi entregue à esposa de Olivetto, Patricia Viotti. Nele, além das flores, o relógio do publicitário e um recado com o pedido de resgate. Quase um mês depois, latas de tinta foram entregues na casa do até então sequestrado, junto com um bilhete exigindo o pagamento. Por fim, com um pacote de produtos de beleza, entregue pelo funcionário de uma farmácia, o grupo mandou mais um recado. O objetivo seria, supostamente, arrecadar dinheiro para financiar as atividades de uma fração do Movimento Esquerda Revolucionária (MIR) chileno.

Leia também:
Preso desde 2002 pelo sequestro de Olivetto, Norambuena denuncia à CIDH regime 'inumano, cruel e degradante'
O que aconteceu com os outros sequestradores estrangeiros de Washington Olivetto?

A solução para o sequestro, contudo, passa por Serra Negra (SP), a cerca de 150 km da capital paulista. Um corretor de imóveis da cidade ligou para a polícia para denunciar que turistas estrangeiros, hospedados em um sítio na região, estavam fumando maconha. Até então, a família de Olivetto pedia que os policiais não se envolvessem. Com a denúncia, agentes foram ao local. Maurcio Norambuena abriu a porta para os policiais. Dentro da casa, havia anotações sobre a operação e armas.

Já detido, Norambuena exigiu poder fazer contato com os outros sequestradores para poder libertar o publicitário. O chileno escolheu um telefone público na rua e, longe da vista dos policiais, discou um número e, identificando-se como comandante Ramiro – o nome que usou durante seu período na FPMR –, disse que o sequestro havia terminado.

A libertação de Olivetto, no entanto, aconteceu quase que por acaso. Faltou luz no Brooklin e os sequestradores que guardavam o cativeiro, achando que a polícia tinha cortado a luz no bairro para fazer alguma operação de resgate, abandonaram o local. Uma vizinha da casa ouviu os gritos de socorro do publicitário e chamou os policiais, que, finalmente, o soltaram. Os envolvidos no sequestro foram presos.

Autobiografia de Pablo Neruda é relançada no Chile com textos inéditos

Deputados barram lei de aborto aprovada pelo Senado no Chile

Congresso do Chile aprova lei que autoriza aborto em três circunstâncias

 

Google Maps

Cativeiro de Olivetto ficava na rua Kansas, 40, no Brooklin, zona sul de SP; hoje reformada e pintada de amarelo, casa mudou número e agora é 44

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias